5 locações da novela Avenida Brasil que você pode visitar


A versão “compacta” da novela Avenida Brasil exibida no Vídeo Show está em sua última semana. O folhetim que foi fenômeno em sua primeira exibição em 2012 carrega o nome da mais importante via expressa da cidade do Rio de Janeiro, mas está longe de se passar apenas no entorno da rodovia ou do bairro fictício às margens dela, o Divino. Seus personagens passearam bastante pela capital carioca. Logo, para nos despedir com grande estilho da trama, decidimos ressaltar alguns pontos turísticos que serviram de locação para a história de Nina e Carminha.

Edifício Gustavo Capanema

Logo no início da novela, em sua participação especial como Genésio, pai da mocinha Nina, Tony Ramos gravou cenas no Edifício Gustavo Capanema, no Centro. Também conhecido como Palácio Capanema, é sede do Ministério da Cultura. A construção é considerada um marco da arquitetura moderna brasileira e foi projetada por uma equipe formada por Lúcio Costa, Carlos Leão, Oscar Niemeyer, Affonso Eduardo Reidy, Ernani Vasconcellos e Jorge Machado Moreira, com consultoria do arquiteto franco-suíço Le Corbusier. Seu exterior decorado por azulejos de Cândido Portinari, além de pinturas de Alberto Guignard, Pancetti e esculturas de Bruno Giorgi, Jacques Lipchitz e Celso Antônio Silveira de Menezes, é facilmente reconhecido pelos cariocas.

Tony Ramos em cena no Palácio Capanema no centro do Rio de Janeiro

Na novela, o edifício serve como o banco onde o personagem de Tony Ramos supostamente vai buscar o dinheiro da venda de sua casa, mas é assaltado assim que põe os pés na rua. Armadilha da vilã da novela, Carminha (Adriana Esteves), claro!

Cemitério do Caju

Sim, um cemitério! Já aprendemos aqui no blog que o espaço de repouso definitivo pode sim render passeios interessantes. E o maior cemitério do estado do Rio de Janeiro abriga muita história, artes sacras e tumulares, além de sepulturas de personalidades. Na trama, Jorginho (Cauã Reymond) e sua então namorada Débora (Nathalia Dill) vão ao local para procurar a sepultura da suposta mãe do rapaz. Ao encontrar o túmulo, eles descobrem que a mulher enterrada lá não é a mesma da foto que o mocinho tinha, muito menos seria mãe biológica do mocinho, já que é negra.

Jorginho (Cauã Reymond) e Débora (Nathalia Dill) no Cemitério do Caju, em momento de reviravolta na trama! Oi, oi, oi…

Marina da Glória

A certa altura da trama, o vilão Max (Marcello Novaes) compra uma lancha e a guarda na Marina da Glória, o porto náutico situado bem no coração da cidade. A grande maioria das cenas envolvendo a embarcação realmente foram rodadas na marina, que além dos serviços náuticos, conta com visitas turísticas, restaurantes, lojas e recebe eventos. O local tem também um parque público com área verde, ciclovias, mirante e deck.

Max (Marcello Novaes) na Marina da Glória

Arcos da Lapa

Durante sua vingança, Nina (Débora Falabella) consegue fotos incriminadoras de Carminha. Algumas cópias ficam guardadas com Débora, que, por isso, é sequestrada e ameaçada por Nilo (José de Abreu) a mando da vilã. O catador de lixo mantém a moça em um esconderijo no centro da cidade, e olha só a paisagem que vemos pela porta do covil!

Cafofo de vilão com vista privilegiada! Nilo (José de Abreu) nos Arcos da Lapa

São os Arcos da Lapa! O aqueduto construído no Brasil colonial que atualmente serve de ponte para o bondinho de Santa Teresa. É marco arquitetônico e histórico da cidade, além de estar situado no boêmio e cheio de atrações bairro da Lapa. Um ícone da cidade, volta e meia aparece em novelas, séries e filmes, como já vimos por aqui no clássico Saltimbancos Trapalhões.

Praça XV

Ainda na tentativa de resgatar as fotos que a incriminam, Carminha suborna o namorado de Betânia (Bianca Comparato), e o rapaz rouba as cópias de Nina assim que moça – por segurança – as retira do banco. Qualquer semelhança com cenas do início da novela, que também mencionei neste post, não são mera coincidência.

Fonte do Mestre Valentim, prédio da Bolsa de Valores e o extinto Mergulhão, tudo em uma só cena!

Assim como seu pai, Nina não estava saindo de um banco de verdade, mas quase isso. O grupo sai do prédio da Bolsa de Valores, segue em direção à Praça XV, quando o roubo acontece. Inicia-se uma perseguição frenética através do chafariz do Mestre Valentim (sim, este monumento é um chafariz) até o mergulhão, uma via subterrânea que abrigava pontos de ônibus, em um dos quais o bandido fugiu. Com a recente revitalização da área esse acesso a pedestres, e o ponto de ônibus subterrâneo não existem mais, o que torna a cena ainda mais curiosa.

Cadê o Maracanã?

Fabi, você esqueceu de colocar o “Maraca” na lista! Esqueci não, caro leitor. É verdade que o Estádio Mário Filho, popularmente conhecido como Maracanã, aparece logo no início do folhetim, como palco do sucesso de Tufão (Murilo Benício) como jogador de Futebol. Entretanto, na época das gravações o Maracanã estava em reformas. Para as sequencias a equipe precisou criar um estádio em CGI, e usar efeitos especiais para transformar um estádio de Uberlândia no campo de futebol mais famoso do país.

De volta à Avenida Brasil, a verdadeira

Placa indicando a saída para o bairro do Divino na Avenida Brasil, não existe de verdade!

Caso tenha ficado curioso, a via expressa que dá nome à novela é a maior avenida em extensão do Brasil e o maior trecho urbano da BR-101, tem 58,5 quilômetros de extensão e corta 26 bairros cariocas. Entretanto o Divino não é um deles: o lar de Tufão e companhia é fictício. Mas tudo bem, pois todos estes lugares que você conheceu na novela e mencionei acima são de verdade. E, se quiser saber mais sobre eles, é só continuar acompanhando nossos posts!

Leia também


About Fabiane Bastos

Jornalista especializada em cultura, viciada em filmes, séries e livros não necessariamente nesta ordem. Adoraria poder visitar os mundos que só conhecemos pelas páginas e telas, ou chegar o mais próximo disso possível!