8 locais de Missão: Impossível – Efeito Fallout superfáceis de encontrar


Enquanto eu assistia à Missão: Impossível  – Efeito Fallout (e me segurava no assento do cinema com tanta adrenalina rolando), eu tive uma grata surpresa: apesar das tomadas aceleradas, consegui reconhecer alguns locais onde algumas das cenas mais alucinantes foram rodadas. As perseguições que aconteceram nas ruas de Paris e Londres usaram bons pontos de referência para quem souber se localizar – e são tão fáceis de achar que qualquer turista mais atento é capaz de reconhecer o local.

Ah, e fiquem tranquilos. Não vou entregar nenhum spoiler aqui (apesar da sequência em Londres ser mais próxima do final, ainda tem muita água pra rolar depois)

Paris

Aqui é onde boa parte da ação acontece, então tem 6 dos 8 locais que identificamos ficam aqui.

Grand Palais

Precisando descobrir quem é o agente secreto que está contrabandeando carga nuclear, Ethan segue uma pista: ele tentará negociar com a vilã Viúva (Vanessa Kirby) em uma festa no Grand Palais.

O dia em que passei pelo Grand Palais eu já estava meio morta de cansaço e calor – e ainda nem tinha chegado na metade do meu trajeto, como eu relatei aqui nesse post. Para piorar, o local estava fechado pois tinham acabado de encerrar uma exposição – então, tudo o que pude ver foi a belíssima fachada do prédio. Nas cenas do filme dá para ter uma noção de como o espaço é grande. Em frente ao Grand Palais, tem o Petit Palais, que também é um museu. As vias de acesso também são conhecidas: cruzando o rio Sena  até ela, a imponente e linda Ponte de Alexandre; e mais adiante é possível chegar à famosíssima avenida Champs-Élisees.

Notre Dame e a margem do rio Sena

Ethan precisa conquistar a confiança da vilã Viúva (Vanessa Kirby) e a encontra às margens do Rio Sena.

Outro dos grandes pontos turísticos da cidade, a catedral de Notre Dame já apareceu em vários outros filmes e romances – inclusive inspirou Alexandre Dumas a escrever o clássico O Corcunda de Notre Dame. A belíssima arquitetura gótica é reconhecível de longe, e mesmo que ela não seja o foco da ação, é impossível que passe despercebida. Além da igreja já ser motivo suficiente para uma visita maravilhosa e inesquecível, como curiosidade, ali em frente existe uma pedra no pavimento que é o Marco Zero da cidade de Paris.

Perseguição de moto na Ponte de Bercy

Ethan tenta manter seu grupo vivo enquanto foge (em um carrinho bem modesto, digamos) de um motoqueiro ensandecido que  persegue pela Ponte e a Boulevard de Bercy .

Essa locação eu reconheci no susto: apesar de ser um local de grande circulação diária, não é exatamente um ponto turístico. Mas como eu andei bastante por Paris de ônibus panorâmico (leia o post sobre isso aqui), reconheci o trecho por causa da beleza simétrica da ponte: as linhas elegantes e as curvas que unem visualmente as partes da ponte. Ali perto ficam o AccorHotels Arena (também conhecida como POPB-Bercy, é uma arena esportiva, que também recebe grandes eventos e shows) e a Cinematéque, um espaço cultural muito bacana (e que eu visitei para ver a exposição do Tim Burton, que estava em cartaz na época).

Torre Eiffel vista do Trocadéro

A diretora da CIA Sloane (Angela Basset) e o agente Walter (Henry Cavill) conversam sobre o comportamento de Hunt durante a operação no Trocadéro.

E você achou que a torre mais famosa do mundo não ia aparecer? Pois ela aparece, sim! É bem rapidinho, mas numa cena-chave na trama. Pena que essa exclusividade aí dos agentes, só em filme mesmo… (uma tristeza: tanta gente ali do meu lado, ali na foto, e nada de Henry Cavill por perto, né?). Os jardins do Trocadéro são um dos locais mais procurados pelos turistas para admirar a Torre Eiffel se iluminar. Os prédios ali no entorno fazem parte do Palácio de Chaillot, uma construção feita para a Exposição Universal de Paris, em 1937, que marcou também a inauguração da torre. No local, onde já funcionou a Cinematèque francesa (que agora está sediada no bairro de Bercy), foi assinado a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948. Hoje, funcionam o Museu do Homem, o Museu Nacional da Marinha, um teatro e um departamento dedicado à arquitetura francesa (incluindo um museu de monumentos e uma escola de arquitetura).

Encontro no Jardin des Tuilleries

As coisas estão fugindo ao controle, mas Ethan ainda tem mais um problema para resolver: ele descobre quem está em seu encalço e marca um encontro tête-à-tête.

Aquelas árvores enfileiradas… Aquele prédio lá no fundo… Só pode ser o Jardin des Tuileries (Jardim das Tulherias, em bom português)! Ok, o ângulo da minha foto não é o mesmo que o da cena no filme (queria mandar um beijo pra minha mãe, a modelo desta foto – risos), mas acredite em mim quando eu digo que a cena foi rodada ali – até porque faz sentido com a sequência da ação, que é a próxima cena comentada. Eu andei a pé pra caramba por ali, debaixo de um sol escaldante, para saber bem do que estou falando! Foram as sombras mais abençoadas das minhas férias… O jardim fica bem em frente ao Museu do Louvre: um espaço para se andar e contemplar a vida – bem parisiense mesmo. Tem algumas fontes, muitas flores e plantas dispostas simetricamente, além de estátuas e muitos turistas que decidem andar do Louvre até a Place de la Concorde.

Fuga de moto passando pelo Arco do Triunfo

Em mais uma fuga alucinante de moto, Hunt corre pelas ruas do Centro de Paris, passando por ruas próximas à Praça da Concórdia e a Champs-Élisees até o Arco do Triunfo, onde tenta despistar os perseguidores andando na contra-mão.

Mostrar Paris sem ter a Champs-Élisses e o Arco do Triunfo também parece errado. Então, veio o combo logo de uma vez! Ao redor do arco, o fluxo de carros é constante, mesmo sem perseguição de terroristas de ficção – então, se seu desejo é ir até o Arco e visitar o museu que existe lá, além de aproveitar a bela vista que se tem lá de cima, o melhor a fazer é procurar um jeito seguro de atravessar. As passagens subterrâneas estão indicadas por placas e são o único jeito de se chegar até lá: lembre-se, você não é um agente do M:I.

 

Londres

Chegando na reta final do filme, a equipe de Ethan Hunt corre contra o tempo.

Catedral de St. Paul

Então Ethan conseguiu fugir de uma cilada subterrânea e precisa perseguir o vilão na superfície. Enquanto segue as orientações de Benji (Simon Pegg), ele vai parar dentro da catedral de Saint Paul.

O chão quadriculado e o altar circular não deixam dúvidas: Ethan Hunt acabou entrando na catedral de Saint Paul, uma das mais famosas do país principalmente por conta de sua enorme e famosa cúpula (que, milagrosamente, resistiu a um bombardeiro durante a Segunda Guerra). É possível visitar a cúpula, mas são sempre grupos guiados e bem-dispostos – a subida é toda feita de escada. Dizem que a vista recompensa, mas eu não consegui chegar a tempo da última galera ser autorizada a subir naquele dia. Então, aproveitei a paz daquele lugar e sentei-me um pouco, para descansar os pés depois de tanto andar beirando o Tâmisa…

Margem do rio Tâmisa e museu Tate Modern

Saindo de fininho (ou nem tanto), Ethan continua ouvindo as orientações de Benji para pegar o vilão. Ele corre por cima de prédios e acaba pulando de uma janela, e continua correndo até entrar no TATE Modern Museum.

Essa foi até fácil saber – com tantos monumentos e pontos turísticos à beira do rio, que é o coração da cidade, o mais próximo é justamente o museu TATE Modern. Basta atravessar uma ponte, a também famosa Ponte do Milênio (que inclusive já apareceu – e até foi destruída! – uma dúzia de vezes em filmes…) que se chega lá. Só que, obviamente, ele não pegou essa rota mais fácil, não é? Ethan rodou meio mundo, invadiu prédio, pulou de janela, correu por telhados… Tudo para não perder a pista do bandido. Aí foi a parte mais ironicamente engraçada: quem indica o caminho todo errado para lá? O único britânico do time! Então ficou um pouquinho ridículo tanta correria, se a gente levar a geografia real do local – mas a gente releva esse detalhe porque a sequência ficou muito bacana! E, tirando o fato de que, na trama, havia terroristas atrás dele… Quem nunca errou o caminho, né?

Esses foram apenas algumas das muitas locações usadas para as cenas de ação de Missão: Impossível – Efeito Fallout. Aliás, toda a franquia explora muito bem as cidades onde tudo acontece, diga-se. Desde o primeiro longa, lançado em 1996 (já faz mais de 20 anos!) que Ethan Hunt nos faz babar não só com sua perícia e beleza, mas com os lugares incríveis que ele acaba indo parar enquanto tenta salvar o mundo. Pior que no caso dele, nem o céu é o limite, não é?

Ah, e não esqueçam: a crítica da Fabiane está aqui, se você quiser mais informações sobre o filme em si. Boa sessão!

Gostou desse post? Então coloque-o em seu board no Pinterest!

Leia também


About Geisy Almeida

Formada em Fotografia, fã de boas estórias que sejam bem contadas - não importa se em forma de livro, filme, novela ou bate-papo. Curiosa e interessada em muitos assuntos, às vezes viajo na maionese.