A versatilidade dos ônibus londrinos nas telas


Eles são icônicos, altamente reconhecíveis e estão na lista de nove em cada dez viajantes que pretendem ir para Londres. Estou falando dos ônibus vermelhos de dois andares londrinos, que além de meios de transportes são considerados pontos turísticos. A frota atual é mais moderna, com carros de 2012, mas o amor pelos coletivos é tão grande que duas linhas para turistas mantém os tradicionais Routemasters, fabricados de 1956 a 1968 disponíveis para quem quiser “dar uma voltinha no passado”.

Dito isto, não é surpresa que os ônibus apareçam sempre nas telas, geralmente no modelo mais antigo. Entretanto, algumas vezes sua participação é, digamos, mais surpreendente do que outras. Listamos aqui, as produções em que o meio de transporte coletivo mais famoso da capital britânica faz mais do que levar as pessoas de lá para cá!

“Piscou perdeu” – será que a Geisy Almeida registrou um tradicional ônibus de Londres em meio a uma aventura cinematográfica?

Uma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba (Night at the Museum: Secret of the Tomb – 2014)

Vamos começar com uma situação bem simples: você pega o ônibus depois de um longo dia de trabalho e nele estão um huno, uma nativa americana com vestimenta tradicional, um faraó egípcio e o presidente estadunidense Theodore Roosevelt, que é a cara do Robin Williams, segurando um macaco. – Normal né?! – Isso aconteceu no terceiro filme da franquia Uma Noite no Museu estrelada por Ben Stiller.

As peças de museu, vivas graças à uma maldição egípcia, foram a Londres para descobrir como salvar o artefato que lhes dá vida. Claro que no meio da jornada eles “acordam” todo o Museu Britânico, e as peças expostas na terra da rainha saem do controle, gerando uma correria pela cidade. E já que é para ir rápido porque não pegar um ônibus? Vale sempre lembrar que o longa foi a produção de despedida de Mickey Rooney e Robin Williams.

Sacagawea, o macaco Dexter, Theodore Roosevelt, Larry Daley, Faraó Ahkmenrah e Átila, o Huno

O Retorno da Múmia (The Mummy Returns – 2001)

Você saiu para resgatar sua esposa de uma seita que pretende ressuscitar uma múmia e deixa seu cunhado desastrado como motorista. É claro, que ele dá um jeito de inutilizar seu carro, e para consertar a burrada rouba um ônibus para a fuga. É assim que Rick (Brendan Frasier) e companhia protagonizam uma perseguição frenética pela Londres dos anos de 1930, em um modelo mais antigo do coletivo.

Como apenas roubo de propriedade pública é pouco para um filme de aventura, eles rodam por toda a cidade, destruindo muita coisa pelo caminho, enquanto lutam com múmias nos dois andares do veículo. A viagem termina com o coletivo transformado em um conversível por uma ponte baixa demais.

Doctor Who – O Planeta dos Mortos (Planet of the Dead – 2009)

O 10º Doctor (David Tennant) está sozinho – leia-se sem companion – quando segue uma ladra de joias com um artefato alienígena até um tradicional ônibus vermelho. Em um desvio, o coletivo e todos seus passageiros vão parar em outro planeta, que possui três sois um gigantesco deserto e uma ameaça à vida de todos. Atravessar o espaço de volta à Terra em um ônibus comum de dois andares antes que todos os passageiros morram é o desafio.

O representante televisivo da nossa lista aparece em um especial de Páscoa da série de TV. O episódio também celebrava a ducentésima aventura do Time Lord, por isso o “busão” em cena ganhou o nome de “The 200”. Este também é o primeiro episódio da série produzido em HD. Não é que o coletivo trouxe várias novidades para os whovians?

O Doctor e a ladra de joias, rolê de “busão” em outro planeta!

Carros 2 (Cars 2 – 2011)

Topper Deckington III é um ônibus britânico clássico de dois andares vermelho vivo, que vive na versão de Londres que existe no universo habitado pelos Carros da Pixar. Na verdade, Topper não tem o que fazer na trama de Relâmpago McQueen, ele apenas existe para poder aumentar a linha de carrinhos colecionáveis e fazer mais dinheiro. Mas a franquia dos automotivos continua firme, com um novo longa programado para 2017. Talvez neste o coletivo tenha a chance de aparecer mais.

Entretanto a grande questão é: se não há humanos neste universo, quem ou o que estes ônibus transportam? É sério, se souber por favor nos conte nos comentários!

Único carro da Pixar que usa “monóculo” por causa do formato assimétrico da frente do veículo!

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (Harry Potter and the Prisoner of Azkaban – 2004)

Às vezes ser um ônibus britânico clássico de dois andares vermelho vivo não é suficiente, especialmente se for servir à comunidade bruxa. O Nôitibus Andante é roxo e tem três andares, mas segue o modelo clássico do popular transporte trouxa. Tem assentos de dia e camas durante à noite, e consegue passear despercebido pelas ruas da Inglaterra, principalmente porque os trouxas não enxergam muita coisa mesmo. Salta de um destino à outro e aparece sempre que um bruxo ou bruxa coloca o braço com a varinha para fora do meio-fio.

Harry (Daniel Radcliffe) faz uso do transporte antes de voltar para seu terceiro ano em Hogwarts. O ônibus é muito popular entre bruxos incapacitados de usar outros meios, como menores de idade, doentes ou quem tem medo de voar, desde que chegou as ruas em 1865 (?!)

Menção honrosa: The Foreigner (2017)

O filme estrelado por Jackie Chan e Pierce Brosnan, ainda sem título no Brasil,  ganhou espaço nessa lista por causar alvoroço envolvendo um ônibus antes mesmo de estrear. Em fevereiro de 2016 a produção explodiu e dirigiu um ônibus em chamas pela ponte de Lambeth no centro de Londres. A explosão gravação aconteceu em um domingo, os produtores tinham autorização, supervisão dos bombeiros e até avisaram no Twitter antes de executar a cena. Mesmo assim, uma galera foi pega de surpresa e ficou assustada achando que era uma explosão real. A confusão virou notícia, várias pessoas e veículos registraram os bastidores como neste vídeo do Wall Street Journal.

Ainda precisamos assistir o filme para confirmar, mas acho que Jackie Chan já está usando um dos modelos mais novos. Será que eles vão gerar tanto amor quanto os tradicionais? Ou Hollywoody vai continuar usando os adorados clássicos?

Agora que aumentamos (ou não) sua vontade de andar nestes ícones britânicos, recomendamos uma olhada no post Passeio em ônibus panorâmico vale a pena? – descubra se outro clássico de viagem é a sua cara.

Leia também


About Fabiane Bastos

Jornalista especializada em cultura, viciada em filmes, séries e livros não necessariamente nesta ordem. Adoraria poder visitar os mundos que só conhecemos pelas páginas e telas, ou chegar o mais próximo disso possível!