Aproveitando o melhor do Beto Carrero World: Dicas e Detalhes


O mundo é muito grande, e sempre tem mais um lugar para conhecermos. Talvez por isso, às vezes esquecemos o quanto é bom revisitar alguns lugares. Recentemente refiz uma viagem de infância que sempre quis, e que já mencionei aqui no blog. Voltei ao Beto Carrero World e trouxe comigo um pouquinho da experiência, detalhes e dicas essenciais para aproveitar o melhor do parque.

Leia também: Álbum de viagem: Beto Carrero

Castelo das Nações Beto Carrero Wold

Castelo das Nações, a entrada do parque!

Ih! O tempo virou…

Foi debaixo de chuva que chegamos ao primeiro de nossos dois dias no parque. O pensamento imediato foi, “babou, não vai dar para aproveitar”. Felizmente estávamos enganadas, na verdade a chuva teve um fato positivo: o parque ficou mais vazio, menos filas, mais tempo nos brinquedos. Estes funcionam com tempo ruim sim, alguns são fechados em caso de chuva torrencial (o que não era o caso), mas voltam a funcionar assim que a chuva diminui. E aqui fica a primeira dica, se gosta de passeios menos concorridos, pode ser uma boa se programar para a baixa temporada.

Como estávamos com pessoas medrosas uma criança pequena, nossa programação foi focada nos shows e brinquedos para toda a família. Alternando entre as atrações com horário fixo, e exploração dos seus 4 Km² de área construída (calma, não andamos tudo à pé!). Sem mais delongas, vamos descobrir o Mundo Mágico do Beto Carrero área por área.

Avenida das Nações

É a área por onde todos entram no parque, passando por dentro do Castelo das Nações. A deslumbrante e multicolorida (digna de muitas selfies) entrada abriga bilheterias, lojas de souvenires, e outros serviços. É ali que a maioria dos guias marcam o encontro com seus grupos e, onde encontramos os preciosos mapas, em diversos idiomas, não deixe de pegar um. Além de excelentes para a localização eles também têm os horários dos shows, dicas práticas e cabe no seu bolso.

Logo atrás do castelo temos a Praça de Eventos com uma tenda de mediçã

Carrosel Veneziano, Avenida das Nações, Beto Carrero

Carrossel Veneziano no centro da praça de alimentação.

o para os pequenos. Funcionando até às 10h30, mede e distribui pulseiras indicativas de altura para facilitar a identificação de quais brinquedos a criança pode brincar. Os primeiros personagens da Dreamworks, parceira do parque, também aparecem por ali. Encontramos os personagens de Megamente em um dos dias, e como estávamos perto do Natal, um palco estava montado para receber o Natal do Shrek. Um show musical realizado no fim do dia, que convida as crianças – e adultos, porque não? – a dançar com o ogro, Fiona, Gato de Botas e até o panda Pô.

O outro destaque da área é a principal praça de alimentação, que além de restaurantes e lanchonetes variados abriga a atração mais bonita do parque, o Carrossel Veneziano, lindo por dentro e por fora. O Teatro Aqua, onde acontece o show Blum e o Raskaputia, um passeio de barco com personagens animatrônicos completam as principais atrações da região, que ainda tem a montanha russa Dum Dum para os bem pequenos, e o Labirinto dos Pégasus.

Tripikland

É por aqui que muita gente começa, já que está pertinho da entrada e a Roda Gigante com chapéus de cowboy com temática Tigor T. Tigre e Lilica Ripilica atraem o olhar. Lá de cima é possível ver todo o parque e começar a planejar sua rota. Claramente dedicada aos pequenos, a região passou a sensação de ser mais procurada no início do dia, por causa da proximidade com a entrada, então vale a pena evitar a multidão e passar as tarde por lá.

Tripkland, Palácio dos Sorvetes, Beto Carrero

Xícaras Malucas, não ande depois de comer os deliciosos sorvetes artesanais.

As Xicaras Malucas tem uma pintura hipnótica que a transformam em um brinquedo radical, principalmente se controlada por pequeninos agitados. Além das xícaras e da roda gigante, você vai encontrar todos os clássicos por ali, carrinho bate-bate, carrossel, autopista, pedalinhos, o Baby Elefante que lembra certo brinquedo dos parques da Disney. Também tem uma área de jogos paga e o Palácio dos Sorvetes, não deixe de comer lá. Os sorvetes são artesanais, e tem aquelas opções bem montadas, dignas de fotos por preços acessíveis.

Ilha dos Piratas

“Eu sou um pirata da perna de pau, olho de vidro e cara de mau…”, a música que é uma das memórias mais marcantes da minha passagem no parque na infância não toca mais o tempo todo na ilha, mas esta continua sendo a área mais fácil de explorar. Isto é, se você não tem dificuldades de atravessar a ponte pênsil chacoalhada por crianças. Não tem como chegar lá por outro caminho, e isso pode ser um problema para quem tem dificuldades de locomoção.

Ilha dos Piratas, Beto Carrero World

Ponte pênsil, sacode à beça quando a molecada passa correndo. Barco Pirata, um clássico

Uma das áreas mais antigas do parque, pouca coisa mudou por lá. O portal com uma caveira de um lado, e um pirata barbudo do outro é uma das muitas áreas para exploração e fotos, como o Dragão Guardião. Casa dos Espelhos, Covil do Tesouro e a Taverna dos Marujos são todos brinquedos nos quais andamos dentro. Apenas o Barco Pirata (a barca viking em muitos parques), tem longas filas.

Vila Germânica

Vila Germânica, Beto Carrero

Montanha russa “light”, em cenário germânico. Excalibur, show com almoço!

As maiores atrações são a Tigor Mountain, uma montanha russa para crianças maiorzinhas e adultos medrosos, bem rápida, com manobras legais, mas sem looping; o indispensável show Excalibur e o Mundo dos Cavalos, onde você pode ver os animais que participam da apresentação. Lojas temáticas, um coreto e construções típicas completam a lista de atrações.

Madagascar

Área dedicada à franquia da Dreamworks tem duas grandes atrações principais. O Madagascar Circus Show, mistura números musicais com Alex,Glória, Rei Julian, os pinguins e outros personagens dos filmes, com apresentações de acrobacias no chão e sobre rodas. Lembro que esta arena costumava abrigar shows com diversos animais, atualmente apenas cavalos são usados nos números de todo o parque. Ainda bem que a bicharada da ficção chegou para animar o quadro.

Madagascar, Beto Carrero

“I like to move it, move it. Eu me remexo muito, remexo muito!”

Madagascar Crazy River Adventure é dona de uma das maiores filas do parque. A corredeira com obstáculos e personagens de Madagascar, no entanto, não é o brinquedo que mais molha, acredite!

Mundo Animal

É onde estão os animais de verdade, no enorme zoológico, que de tão grande é separado por áreas: Ilha dos Macacos, Passarela dos Felinos (mas tinha um urso lá também!), Serpentário, e por aí vai… O parque tem um sistema para tratar a água e evitar mosquitos, mas nessa área em especial a presença deles parece ser inevitável. Não tínhamos levado repelente, mas descobrimos que os preços da farmácia dentro do parque são bem razoáveis.

Zoo, Monga, Mundo Animal, Beto Carrero

Animais de verdade para admirar e de mentira para interagir!

A tradicional Monga, a mulher que vira gorila, e o Mamães e Filhotes, onde a molecada pode interagir com os bichos, tem sessões com horários marcados. O Adventure Kids e o Espaço Zen são pagos à parte. Já o Trenzinho Vila Esperança, para crianças bem pequenas, e a Casa do Projeto Tamar são gratuitos e pouco visados.

Terra da Fantasia

Compreende as atrações acessíveis pelo passeio de trem DinoMagic. Saindo de meia em meia hora, a locomotiva passa por diversos cenários que incluem animais gigantes, a Casa do Beto Carrero onde pode, ou não, acontecer um assalto do qual somos salvos pelo personagem, e claro Dinossauros, entre outras atrações.

DinoMagic, Beto Carrero

Sim, tem um dinossauro escondido atrás da árvore!

Aventura Radical

É a área dos “adultos corajosos”, admito, passei pouco tempo aqui. Das atrações fui apenas ao Extreme Show, uma apresentação com carros, que até pouco tempo era atrelada à franquia Velozes e Furiosos, e pode ter almoço acompanhando; e no Tchibum, este sim o brinquedo que mais molha em todo o parque.

Aventura Radical, Beto Carrero

A área dos destemidos no Beto Carrero World

Se você curte adrenalina, tem duas montanhas russas. A FireWhip (chicote de fogo em português), é invertida, aquela em que as cadeiras são presas por cima e ficamos com pés soltos. Star Mountain é a outra, com mais de 22 metros de altura e velocidade aproximada de 64Km/h e duas inversões seguidas. A Big Tower é um elevador de queda livre com 100m de altura. Foi o único brinquedo que fechou por alguns instantes, por causa do vento forte, enquanto estávamos lá.

É a parte do parque que mais tem atrações pagas, O Portal da Escuridão, a área de games, Bolha Aventura, Extreme Kids, Space Bazooka e o Kart. Até para tirar fotos por ali tem que ser radical, não é qualquer um que consegue subir na mão de um Gorila Gigante.

Velho Oeste

Inspirada pelo criador do parque, a região é povoada por cowboys, índios e malfeitores. A Aldeia Indígena e os enormes Chapéu e Botas Gigantes são paradas obrigatórias para fotos. A Cavalaria, a Hípica e o passeio com pôneis e cavalos promovem mais interação com os animais. Deste, apenas o último não é pago, mas tem horários específicos.

Velho Oeste

Beto Carrero ainda é a alma do parque!

As grandes atrações são o Memorial Beto Carreiro, e o show O Sonho do Cowboy. Ambos situados sob uma gigantesca lona de circo.

Todas as regiões do parque contam com banheiros, restaurantes ou lanchonetes, quiosques de sorvetes, e claro, lojinhas. Geralmente estes estabelecimentos seguem a temática da região em que estão instalados, o que garante souvenires diferentes em cada uma delas. Não há bebedouros, segundo o próprio parque por motivos de higiente. Com a lotação que encontramos naquele fim de semana específico, nos sentimos bem atendidos em termos de serviço. Apenas em um momento encontramos um banheiro lotado, combinando com a saída de um dos shows, próximo a ele.

Dicas para aproveitar ao máximo

  • Reserve no mínimo dois dias para explorar o parque. Se programe com antecedência para não perder shows e atividades com horário marcado. Nos shows chegue no mínimo 20 minutos antes para assegurar seu lugar. Em dias de alta temporada alguns shows ganham uma segunda sessão.
  • O parque abre às 9h, as bilheterias começam a atender uma hora antes. O encerramento completo é as 19h30, mas os brinquedos fecham suas filas às 18h. O tempo restante é destinado a atender que já estava na fila antes do fechamento.
  • Protetor solar e repelente. Todo mundo se lembra da proteção para o sol, e esquece o repelente. Apesar de tratar suas fontes de água, o parque é bastante arborizado e tem mosquitos, especialmente nas áreas próximas ao zoológico.
  • Há encontro com personagens da Dreamworks em todas as regiões, em lugares e horários pré-determinados. Mas estes podem ser realocados por causa do mal tempo, fique atento às placas indicativas em cada um dele.
    Beto Carrero World Dicas

    Mapa e pulserinha indicativa de altura, indispensáveis!

  • Fique atento à altura permitida nos brinquedos, para não perder tempo com seu pequeno na fila. Todos os brinquedos tem um totem indicativo em sua entrada. Não deixe de medir as crianças na tenda de medição próxima ao Castelo das Nações, e pegar a pulseirinha indicativa que facilita bastante o processo, o serviço funciona até as 10h30.
  • Existem capas à venda dentro e fora do parque, alguns guias as vendem ainda no ônibus. Elas são melhores que os guarda-chuvas, pois permitem que você ande nos brinquedos, mesmo com tempo ruim. E claro, leve a sua de casa se já sabe que vai chover.
  • O serviço de entrada sem fila aos brinquedos se chama Fast Pass, e oferece 16 acessos à 8 brinquedos diferentes (dois em cada), FireWhip, Big Tower, Star Mountain, Betinho Carrero 4D, Crazy River, DinoMagic, Raskapuska e Auto Pista. Tem venda limitada e ser comprado online, nos totens de auto-atendimento, bilheterias e atrações onde utilizam este serviço. É a melhor opção para quem tem apenas um dia no parque.
  • O Acesso Garantido é a “versão do fast pass” para os shows. Oferece lugares nas primeiras fileiras e pode ser adquirido para todos shows ou para atrações isoladas.
  • Está sozinho no parque? Não precisa gastar um extra com Fast Pass, fique atento às filas “Single Rider”. É uma fila menor, usada para preencher aqueles acentos que sobram nos carrinhos.
  • O parque tem estacionamento pago à parte, também é possível pegar táxis. O Uber é mais complicado, pois nem sempre o app funciona na região. Quem opta por se hospedar nos arredores do parque costuma reclamar da precariedade do acesso para pedestres, já que o parque fica à beira de uma rodovia.
  • Se você comprou um voucher atenção aos guichês. Existe uma sala exclusiva, e bem concorrida, para os clientes da CVC. Os clientes das demais agências podem trocar seus vouchers no “Atendimento” mesmo. Perdemos um bom tempo na fila, até essa informação ser esclarecida.
  • O Beto Carrero World foi inaugurado em 1991, por João Batista Sérgio Murad, o Beto Carrero. Situado no município de Penha em Santa Catarina, é o maior parque de diversões da América Latina. É povoado pelos personagens da turma do Betinho Carrero e, desde 2012, por personagens da Dreamworks. Tem brinquedos para todas as idades, e atrações diversificadas que vão de shows musicais e de acrobacias radicais.

Faltou alguma dica? Fique à vontade para perguntar. Quer saber mais sobre o parque? Não deixe de nos acompanhar nas redes sociais, tem conteúdo extra por lá.

Leia também: Álbum de viagem: Beto Carrero

Leia também


About Fabiane Bastos

Jornalista especializada em cultura, viciada em filmes, séries e livros não necessariamente nesta ordem. Adoraria poder visitar os mundos que só conhecemos pelas páginas e telas, ou chegar o mais próximo disso possível!