Uruguai: Casapueblo, você vai querer morar nela!


Eu queria morar na Casapueblo. Ou pelo menos passar alguns dias. Afinal, o lugar, no Uruguai, me fez sentir na Grécia e em Tatooine ao mesmo tempo. Calma, eu explico! Embora a comparação grega seja bem fácil de perceber, o estilo da cidadela-escultura é propositalmente semelhante ao das casas da costa mediterrânea de Santorini. Já a relação com a casa onde Luke Skywalker cresceu é coisa da minha cabecinha nerd mesmo, que sempre acha lugares com corredores estreitos e arcos arredondados e brancos parecidos com a casa do Tio Owen e da Tia Beru. Aliás, a locação real de Star Wars é um hotel na Tunísia, que um dia a gente vai visitar. Por hora voltemos ao roteiro.

Panorâmica do hotel, visto dos terraços do museu!

Nossa visita ao ponto turístico mais famoso de Punta Ballena fazia parte de um pacote turístico para Punta Del Leste que encontramos no hotel em que estávamos hospedadas em Montevidéu. Na ocasião, era a melhor opção para o tempo e verba que tínhamos. A atração foi a última parada antes de chegarmos ao balneário.

A Casapueblo foi projetada e construída ao longo de anos a partir de 1958, pelo artista plástico e arquiteto uruguaio Carlos Páez Vilaró, morto em fevereiro de 2014, um mês após passarmos por lá. Fica situada no alto de uma colina, à beira mar (poético, não?!). Logo é preciso se planejar para chegar lá: é possível ir de carro, táxi, vans ou ônibus, e as opções variam de acordo com a época do ano se seu local de partida. Uma das vantagens do pacote foi não se preocupar com esta parte. Muito menos com o ingresso, que na época custava cerca de R$ 20. Mais tarde fiquei sabendo que eles aceitam tanto pagamento em pesos quanto em reais.

Labrinto dentro e fora da casa!

Fato curioso: antes mesmo de entrar na construção, fomos recebidas ao som de Show das Poderosas, da Anitta, hit do verão naquele ano, vindo de um carro de som parado na entrada da casa. Em um grupo de seis mulheres, a histeria e as piadas foram inevitáveis. E sim, você vai ouvir bastante música brasileira quando viajar para o Uruguai, e com certeza encontrar algumas novelas nossas, se decidir zapear a TV do hotel. Particularmente, queríamos muito contar o final de Avenida Brasil para algum coleguinha uruguaio. A novela estava no auge por lá, ao ponto de tocar kuduro nos ônibus de linha de Montevidéu. Mas estou divagando outra vez.

Atualmente a Casapueblo abriga um museu com galerias de arte, terraços, um restaurante e até um “cineminha”, que exibe um documentário sobre a casa e seu criador, além de um hotel, área cujos visitantes do museu não tem acesso(mas é possível dar uma espiadinha do terraço-mirante voltado para o mar).

É neste mesmo terraço, aliás, que o pessoal assiste à “Cerimônia ao Sol”, no chamado Mirador del Hipocampo. O espetáculo consiste em observar a casa branquinha mudar de cores ao entardecer, conforme o sol se põe, além do próprio pôr do sol sobre o mar. Infelizmente, o itinerário do pacote não nos permitia ficar até o fim do dia.

Terraço da Sereia!

Ao invés disso, exploramos cada cantinho da casa, um labirinto de corredores estreitos que levam a diversas salas que expõem as obras de Vilaró. Pintura, escultura, cerâmica, fotografias e um documentário na charmosa sala de projeção (as cadeiras também são esculpidas ao estilo da casa) apresentam arte e vida do artista que fez de tudo um pouco e conheceu muita gente interessante. A vista para o mar também é deslumbrante no Terraço da Sereia, mas ali a graça é fazer pose no balcão em frente ao mural da figura mitológica metade moça, metade peixe.

Na área de souvenires, que incluía uma livraria, mais um detalhe curioso que deve agradar aos turistas brasileiros: um retrato aéreo da casa revela que esta tem o formato do mapa do Brasil. De acordo com o criador, uma semelhança acidental, já que a obra de arte em forma de edifício foi sendo construída sem planta, de acordo com a sensibilidade de seu arquiteto.

Casapueblo acidentalmente ficou com o formato do mapa do Brasil

Corredores estreitos, degraus estranhos e escadarias sinuosas não tornam o museu uma atração fácil para portadores de necessidades especiais. Para nós, o maior problema era ficar perdida entre os corredores – de fato ficamos, o ônibus quase saiu sem nós! -, além, claro, da vontade de ficar mais um pouco por lá.

Tudo bem, pois a breve visita colocou um novo objetivo em nossa lista de viagem: passar alguns dias no hotel que compõe a cidadela-escultura. Afinal, como mencionei no início do post, qualquer um adoraria morar na Casapueblo. Confira mais fotos detalhadas na galeria abaixo:

Casapueblo
Ruta Panorámica (saída da Ruta Interbalneária a caminho de Punta Ballena)
Aberto durante todo o ano (tem uma placa na entrada dizendo isso!). O horário de funcionamento varia de acordo com a estação, a alta temporada é de dezembro a fevereiro
http://www.carlospaezvilaro.com.uy/nuevo/museo-taller/

Leia também


About Fabiane Bastos

Jornalista especializada em cultura, viciada em filmes, séries e livros não necessariamente nesta ordem. Adoraria poder visitar os mundos que só conhecemos pelas páginas e telas, ou chegar o mais próximo disso possível!