Crítica: O Touro Ferdinando


Um touro que gosta de flores, que se recusa a cumprir seu “destino” – a morte na arena -, que enfrenta obstáculos por ser diferente dos outros e que só deseja… ser quem é. Falando assim, parece bem simples de entender o que está por trás disso, mas, 80 anos depois, o ser humano ainda tem dificuldade de compreender muitas das questões debatidas em O Touro Ferdinando, adaptação do livro infantil para o cinema dirigida pelo brasileiro Carlos Saldanha (Rio, A Era do Gelo 2). Equilibrando bem ação, comédia e drama, e contando com um punhado de personagens carismáticos, o filme funciona bem como entretenimento para crianças e adultos, mas consegue ir bem além disso, com suas mensagens sobre tolerância e aceitação salpicadas numa história envolvente.

Na animação da Fox, Ferdinando já se percebe diferente dos outros ainda na infância. Enquanto os outros bezerros anseiam por seguir os passos de seus pais e estrear nas touradas, o protagonista se sente naturalmente deslocado por não ser fã de briga. É ridicularizado por isso, é considerado covarde, menos touro do que os outros e até tenta esconder seus gostos e desejos por medo de não corresponder às expectativas de seu pai, que tanto admira. Mas ali nem ele nem seu pai, que apenas acredita não ter outra escolha, percebem o quanto o questionamento do pequeno em relação à verdade estabelecida até então – touros lutam, e fim de papo – é capaz de ser revolucionário.

Leia também: Um giro por Ronda e Madri com O Touro Ferdinando

Quando a realidade bate à sua porta, no entanto, Ferdinando foge do rancho onde foi criado e, por sorte, é acolhido por uma família amorosa (e seu adorável cachorro blasé), que inclui o animal em sua rotina numa fazenda, onde descobre que há outras possibilidades além daquelas que lhe foram ensinadas. Adulto, forte e grande, ele continua amante das flores e tudo que ele mais queria era poder participar do festival de flores na cidade sem maior alarde.

Logo descobre, porém, que vai ser julgado pelas aparências, por aquilo que os outros dizem que ele é. Humanos e suas ideias pré-concebidas… A saga de Ferdinando, então, está prestes a começar: com a fama de valentão e devorador de criancinhas, ele é obrigado a voltar ao mesmo rancho de sua infância, onde as opções são lutar ou ir para o abatedouro.

E é no local, onde se desenrola boa parte do filme, que estão alguns dos principais trunfos da animação, como a cabra Lupe, que quer treiná-lo para impor algum respeito no local, e o touro escocês Angus, que tem dificuldade de enxergar devido ao seu topete. Mas mesmo personagens menores, como os cavalos Klaus, Greta e Hans e os ouriços Una, Dos e Cuatro ganham personalidades fortes e garantem cenas divertidas, como a sequência da competição de dança.

O grande antagonista, no entanto, é Valente, que está disposto a ser escolhido pelo toureiro El Primero para sua apresentação final, em Madri. Ele deixa o clima bem tenso para o recém-chegado e incentiva a competição entre o grupo – que, a princípio, parece uma questão de vida ou morte. Depois, eles descobrem, que a situação é bem mais complexa que isso, e que nas touradas (assim como nas guerras), não existe vitória. E quem é que lucra com isso?

Reviver um clássico é sempre um desafio, mas O Touro Ferdinando se sai bem na tarefa, principalmente por lidar com temas bastante sérios com delicadeza e de um jeito acessível para as crianças, mas nunca didático ou aborrecido para os adultos, por exemplo. Sem moral da história, porque a história se sustenta por si.

O filme de Saldanha mantém o ritmo o tempo todo com muita ação, alternada com boas piadas, inclui momentos ternos (homens e touros também choram, por exemplo) e mantém a tensão em seu trecho final, onde todos os princípios e valores de Ferdinando são postos à prova – vale a pena ser fiel a seu pacifismo quando o mundo lá fora só conhece a violência? Afinal, ter coragem é seguir as regras impostas pelos outros ou ser verdadeiro consigo mesmo? Parece que os touros têm muito a ensinar.

Leia também


About Giselle de Almeida

Carioca, jornalista, estudante de cinema, gauche na vida. Pareço legal, mas tento convencer os amigos a verem minhas séries favoritas