Programa cinéfilo em Roma: uma visita aos estúdios da Cinecittà


Você sai do metrô e dá de cara com o complexo da Cinecittà

Caminhar por Roma significa encontrar um cenário de filme praticamente em cada esquina, mas a cidade tem um lugar ainda mais especial para um coração cinéfilo: os estúdios da Cinecittà. Pisar lá, onde foram filmados vários clássicos e onde até hoje são rodadas importantes produções, é uma emoção diferente. Dá para visitar os sets, conhecer o famoso Teatro 5, o favorito de Federico Fellini, e ainda conferir uma pequena exposição sobre a história do complexo (já retratado na ficção em longas como Belíssima, de Luchino Visconti, e O Desprezo, de Jean-Luc Godard) e os filmes que nasceram ali.

O local fica numa área mais afastada do centro histórico de Roma, mas é de fácil acesso: basta pegar a linha A do metrô (direção Anagnina) e descer na estação (adivinhem) Cinecittà. Pronto, cruzando o portão, você viaja para outros lugares e também para outras épocas…

É possível visitar apenas o museu com o ingresso mais barato. Para conhecer os sets, é preciso comprar o ingresso do tour guiado, disponível em italiano e inglês (neste idioma, apenas um horário pela manhã e outro pela tarde, é bom checar antes no site). Cheguei uma meia hora antes e comprei o bilhete na hora tranquilamente – era agosto, alta temporada – e fiz uma hora na cafeteria, já me sentindo naquelas cadeirinhas temáticas.

Cafeteria da Cinecittà

Adesivo do tour devidamente colado na camiseta, era a hora de partir para a parte mais legal – ver os estúdios! Construída em 1937, a Cinecittà não é só um lugar histórico, palco de clássicos como Cleópatra, de Joseph L. Mankiewicz, e Por um Punhado de Dólares, de Sergio Leone. Ainda hoje, produções como A Paixão de Cristo, de Mel Gibson, Gangues de Nova York, de Martin Scorsese, e o remake de Ben-Hur, de Timur Bekmambetov, tiveram sequências rodadas por lá. Por isso, você vai cruzar com funcionários circulando para lá e para cá e nem todo estúdio é acessível ao público.

O Teatro 5, no entanto, é ponto turístico. Ali Fellini reconstruiu ruas inteiras da capital italiana para La Dolce Vita (menos a Fontana di Trevi, essa sim locação verdadeira) e pedaços de Veneza para seu Casanova. O cineasta tinha até um quartinho ao lado do estúdio de tantas horas que passava lá. Em 2013, 20 anos depois de sua morte, a entrada do nº 5 ganhou uma plaquinha em sua homenagem (ver galeria de fotos no fim do post). No mesmo espaço, Quentin Tarantino também comandou sequências de Django Livre.

Enquanto a guia vai contando curiosidades, o passeio segue em direção a monumentais cidades cenográficas. Réplicas de edifícios do antigo fórum romano foram levantados para a série Roma, da HBO, e depois reaproveitados em programas como I Cesaroni, da TV italiana, e Os Bórgias, do Showtime. A dimensão das construções e os detalhes impressionam, como as pedras irregulares no chão até o esmero em cada fachada.

Um pouco mais adiante nos transportamos para a Florença dos anos 1400, criada para a minissérie local Francesco e vista posteriormente em produções como o filme italiano Amici miei – Come tutto ebbe inizio e a releitura de 2013 para Romeu e Julieta. Mas o lugar é multiuso: Wes Anderson também já rodou comercial para a Prada por lá… Criado para o filme O Jovem Messias, o cenário que reproduz o Templo de Jerusalém também está aberto a visitação.

A cara de felicidade da criança: nos jardins da Cinecittà, com a Venusia, de Casanova de Fellini

Encerrado o tour, a brincadeira continua para os aficionados: muita gente vai embora, mas eu acho que vale gastar mais tempo lá dentro, agora na exposição permanente do lugar, na Palazzina Fellini, onde antigamente funcionavam as salas de dublagem e mixagem do complexo. Cinema é história, é memória, e preservar tudo isso é investir em cultura também: ali estão expostas as razões para a criação da Cinecittà e sua importância na produção audiovisual italiana e mundial, inclusive no período da Segunda Guerra Mundial. Fotos, desenhos e objetos do universo felliniano e vídeos com depoimentos de atores e cineastas também compõem a mostra.

Na Palazzina Presidenciale tem outra exposição, “Backstage”, que é uma gracinha e bem lúdica, onde você faz um passeio pelos filmes rodados lá em salinhas de decoração temática e pelo próprio processo de se fazer um filme, em salas dedicadas às várias etapas envolvidas na criação (roteiro, som, figurino). Nos jardins, algumas esculturas famosas como a Venusia, do filme Casanova de Fellini, também fazem parte do itinerário.

Se você estiver com tempo e disposição, o bilhete ainda dá direito a visitar os sets de uma série de TV italiana, mas eu já tinha brincado bastante no meu parque de diversões, uma espécie de Disney particular, e me dei por satisfeita. Agora, escrevendo esse post, morri de saudade e lamentei não ter feito mais fotos (memória insuficiente, fuén). Mas algo me diz que bato ponto por lá novamente na minha próxima passagem por Roma…

Em breve, mais roteiros cinéfilos pela capital italiana aqui no blog (enquanto isso, você confere o que já foi publicado sobre a cidade aqui)!

Cinecittà Studios
Via Tuscolana 1055, Roma (metrô linha A, estação Cinecittà)
Abre diariamente (exceto às terças), das  9:30 às 18:30. A bilheteria fecha às 16:30
Ingresso: 10 euros (sem tour); 20 euros (com tour)

Leia também


About Giselle de Almeida

Carioca, jornalista, estudante de cinema, gauche na vida. Pareço legal, mas tento convencer os amigos a verem minhas séries favoritas