Road movies que chegaram ao Oscar


O Oscar está chegando, caro viajante cinéfilo, e nós aqui estivemos nos perguntando: quantas viagens épicas já foram dignas de uma estatueta? Estamos falando dos road movies e seu espaço na maior premiação da sétima arte.

Apesar de ter suas origens em jornadas épicas como a Odisseia e provavelmente ter sementes em outros gêneros como o western, os filmes de estrada como conhecemos começaram a aparecer após a Segunda Guerra Mundial, um efeito da popularização dos automóveis e da cultura jovem. Entretanto, a consciência do estilo road movie veio apenas na década de 1960 com filmes como Bonnie e Clyde (1968) e Easy Ryder (1969).

O nacional Central do Brasil causou burburinho quando chegou ao Oscar, mas não levou!

São histórias onde as estradas geralmente simbolizam a busca por liberdade, seja de expressão, comportamento, dos próprios medos e limites. Ou ainda a procura por algo maior, que constrói o caráter dos personagens, que inevitavelmente vão terminar a jornada diferentes do que começaram. Desde então, aos poucos, o gênero tem conseguido espaço nas premiações, apesar de na maioria das vezes se designar como drama ou outro gênero mais popular com os votantes.

Road movies oscarizados

Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road, 2015) – 6 Oscar
Ok, eu sei. Tecnicamente não há mais estradas no mundo de Mad Max, mas sim, esta é uma franquia de road movie. Tem estrada até no título! E Max (Tom Hardy) ou seus acompanhantes sempre aprendem, descobrem ou conquistam algo novo no percurso, como manda “a cartilha” do gênero. Em Estrada da Fúria, Max não faz muita coisa, é verdade (isso porque a Charlize Theron roubou o filme dele), mas aprende a confiar nas pessoas que estão com ele. De fato, todos aprendem a trabalhar em conjunto, mesmo quem inicialmente estava em lados diferentes da batalha. E conquistam sua liberdade e talvez uma vida menos ruim para todos que viviam sob a tutela do Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne). Tudo isso durante um bate-volta em um caminhão-tanque em meio a muita poeira e cenas de ação épicas.

O longa de George Miller era o queridinho dos fãs no Oscar 2016. Não levou as categorias principais a que foi indicado (melhor filme e diretor), mas levou todo o resto! Ganhou os prêmios de Mixagem de Som, Edição de Som, Figurino, Maquiagem, Edição e Direção de Arte. Estrada da Fúria ainda foi indicado por Efeitos Visuais e Fotografia.

Mad Max, a franquia que nasceu como road movie

Rain Man (1988) – 4 Oscar
Oficialmente um drama, que se desenrola estrada afora. O jovem Charlie Babbitt (Tom Cruise) viaja até um hospital psiquiátrico para tentar descobrir quem é o misterioso beneficiário da maior parte da herança que seu pai deixara. Acaba descobrindo seu irmão mais velho autista, Raymond (Dustin Hoffman). De olho na herança, Charlie sequestra Ray, que, com pânico de voar, os obriga a pegar a estrada e consequentemente se conhecer, criar um vínculo e tudo mais.

Hoffman recebeu sua segunda estatueta de melhor Ator pelo papel. E o longa ainda recebeu as maiores premiações da noite, Filme, Direção (Barry Levinson) e Roteiro Original. Outras indicações foram de Direção de Arte, Trilha Sonora, Fotografia e Edição.

Rain Man, único road movie a receber o prêmio máximo!

Bonnie e Clyde (Bonnie and Clyde,1968) – 2 Oscar
As aventuras do casal criminoso mais famoso do mundo (que existiu de verdade), já era um road movie antes do gênero oficialmente existir. Acompanhando o casal Bonnie Parker (Faye Dunaway) e Clyde Barrow (Warren Beatty) através dos Estados Unidos em plena depressão dos anos 1930. Inicialmente desacreditado, o longa bateu recordes de bilheteria e quebrou tabus ao “glorificar assassinos” e trazer um alto nível de violência para a época.

O filme ganhou duas estatuetas do Oscar: Atriz Coadjuvante (Estelle Parsons) e Fotografia. Também foi indicado nas categorias de Filme, Diretor, Ator (Warren Beatty), Atriz (Faye Dunaway), Ator Coadjuvante (Gene Hackman e Michael J. Pollard), Roteiro Original e Figurino.

Bonnie e Clyde, pioneiros em muitos aspectos

Pequena Miss Sunshine (Little Miss Sunshine, 2006) – 2 Oscar
O que uma família não faz pelo sonho de uma garotinha? Os Hoover entraram em uma kombi amarela velha para levar a pequena Olive (Abigail Breslin) para um concurso infantil de misses. Uma típica mãe de família (Toni Collette), um pai fracassado nos negócios (Greg Kinnear), o irmão adolescente idealista que fez um voto de silêncio (Paul Dano), o tio suicida (Steve Carell) e o avô e grande incentivador (Alan Arkin) atravessam o país juntos. Enfrentam os problemas da estrada, da kombi cheia de defeitos e deles próprios como indivíduos e família.

O longa recebeu o prêmio de Roteiro Original e Alan Arkin recebeu o Oscar de Ator Coadjuvante em 2007. Com apenas 10 anos de idade, Breslin também recebeu uma indicação de Atriz Coadjuvante e Pequena Miss Sunshine era um dos concorrentes a melhor filme.

Abigal Breslin tinha apenas 10 anos quando foi indicada ao Oscar

Deu a Louca no Mundo (It’s a Mad, Mad, Mad, Mad World, 1963) – 1 Oscar
Outro caso do “filme de estrada precoce”, esta comédia é literalmente uma corrida maluca. Até porque isso é o que acontece quando, após sofrer um acidente de carro, um ladrão à beira da morte revela para as várias pessoas que o socorreram onde está escondida a fortuna que roubou: 350 mil dólares (que já é um bom dinheiro hoje, imagina em 1963!). A comédia pastelão é composta por acidentes automobilísticos, cenários destruídos, muitas participações especiais e encontros e desencontros entre as equipes durante a corrida. Aliás, o elenco é tão grande e cheio de astros da época, que não vou nem tentar escrever os nomes aqui. Prefiro deixar vocês testarem sua cinefilia.

Deu a Louca no Mundo ganhou o Oscar de Edição de Som. Mas, foi indicado também nas categorias de Fotografia (Cor), Edição, Trilha Sonora Original, Canção Original e Mixagem de Som.

Road movie + comédia pastelão

Thelma e Louise (Thelma & Louise, 1991) – 1 Oscar
Thelma (Geena Davis) e Louise (Susan Sarandon) precisavam desesperadamente fugir de suas vidas de dona de casa/saco de pancada e garçonete sobrecarregada. A dupla programa um fim de semana em uma cabana de pesca para relaxar, mas tudo dá errado logo no início da viagem, e as duas se veem como fugitivas da lei. Alguns obstáculos, perseguições, explosões, muita poeira e um jovem Brad Pitt depois, as duas encenam sua despedida marcante. Liberdade até as últimas consequências e muito girl power estrada afora.

Thelma e Louise recebeu o prêmio de Roteiro Original. Davis e Sarandon receberam indicações na categoria Atriz, e Ridley Scott, de Diretor. O filme também era candidato nas categorias de Edição e Fotografia.

Thelma e Louise: mulheres no volante, aventura constante

Priscilla, a Rainha do Deserto (The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert, 1994) – 1 Oscar
Caso você não saiba, Priscilla é o ônibus que leva Tick (Hugo Weaving), Bernadette (Terence Stamp) e Felicia (Guy Pearce) através do deserto australiano em busca de uma vaga de trabalho. Mencionei que os três são drag queens? (tecnicamente um deles é transexual, mas não vou parar para explicar isso). O trio ganha a vida dublando músicas usando salto alto, plumas e paetês. Entre problemas no ônibus, caipiras preconceituosos, pessoas surpreendentemente legais e criaturas que você não sabe como chegaram onde estão, o roteiro toca em assuntos delicados especialmente para a época. E tem também o real motivo da viagem, que seria um spoiler dos grandes, então paro por aqui.

Priscilla, a Rainha do Deserto ganhou o Oscar de Figurino – é muito glamour!

Priscilla: transporte, personagem e Rainha do Deserto, claro!

Quase Famosos (Almost Famous, 2000) – 1 Oscar
Viajar em turnê com sua banda favorita não é o sonho de qualquer adolescente? William Miller (Patrick Fugit) tirou a sorte grande e ainda vai receber para isso. O garoto acompanha a turnê da banda fictícia Stillwater para a revista Rolling Stone, conciliando uma viagem de autodescoberta com a descoberta do mundo do rock. O longa é inspirado na experiência do diretor Cameron Crowe, que, aos 16 anos, acompanhou diversas bandas em turnê para a mesma revista.

Quase Famosos recebeu a estatueta por seu Roteiro Original. Entre as indicações, Edição e Atriz Coadjuvante (Frances McDormand e Kate Hudson).

Quase Famosos: ainda esperando minha chande de sair em turnê!

Procurando Nemo (Finding Nemo,2003) – 1 Oscar
Calma, não estou ficando louca, eu sei que esse filme se passa no mar. Mas convenhamos, a corrente leste australiana bem que parece uma rodovia e Marlin aprende a ser um pai melhor, conforme confronta os obstáculos do mar aberto em sua jornada em busca do pequeno Nemo. Sua esquecida acompanhante Dory ganha uma família, algo importante o suficiente para não esquecer. Além disso, fizemos uma votação aqui na redação e decidimos: o clássico da Pixar é um road movie sim, e pronto!

É claro, Procurando Nemo levou o Oscar de Animação em 2004. E foi indicado também a Roteiro Original, Música e Edição de Som.

Siga pela corrente leste australiana até P.Sherman, 42, Walaby Way, Sidney!

Sideways – Entre Umas e Outras (Sideways, 2004) – 1 Oscar
Uma viagem pelas vinícolas do Vale de Santa Ynez, na Califórnia, é ou não é um presentão de despedida de solteiro? O depressivo aspirante a escritor Miles Raymond (Paul Giamatti) decide presentear seu melhor amigo, Jack (Thomas Haden Church), com a viagem. Obviamente encontros e desencontros na estrada vão fazer a dupla rever seus conceitos e até ameaçar o tal casamento.

Sideways levou o Oscar de Roteiro Adaptado. Foi indicado nas categorias Filme, Diretor, Ator e Atriz Coadjuvante (Thomas Haden Church e Virginia Madsen, respectivamente).

Viagem por vinhedos, quem nunca sonhou?

Diários de Motocicleta (Diarios de Motocicleta, 2004) – 1 Oscar
Road movie com biografia? Tem sim, senhor. E tem como base o livro de memórias escrito por Ernesto Guevara e os relatos da viagem que fez aos 23 anos pela América do Sul. Inicialmente de moto e mais tarde de carona, o então futuro guerrilheiro marxista e revolucionário Che Guevara (Gael García Bernal) e seu amigo Alberto Granado (Rodrigo de La Serna) conhecem novos lugares e realidades que com certeza influenciaram as pessoas que viriam a ser no futuro. A direção é do brasileiro Walter Salles.

Diários de Motocicleta recebeu o Oscar de Canção por Al otro lado del río, do compositor uruguaio Jorge Drexler. E foi indicado também a Roteiro Adaptado.

Viajando com Che!

Apenas indicados

Há quem diga que isso é “papo de perdedor”, mas acredito que a maioria concorda: ser indicado já é uma honra. Por isso segue uma breve lista de road movies que concorreram, mas não conquistaram o careca dourado.

  • Sem Destino (Easy Ryder, 1969), aquele mesmo que mencionei no início do texto – indicado a Ator Coadjuvante (Jack Nicholson) e Roteiro Original.
  • Central do Brasil (1998), que infelizmente concorreu em um ano de premiações estranhas… Estava indicado como Filme Estrangeiro e Atriz (Fernanda Montenegro).
  • Na Natureza Selvagem (Into the Wild, 2007). A cinebiografia do aventureiro Alex Supertramp concorreu aos prêmios de Edição e Ator Coadjuvante (Hal Holbrook).
  • Uma História Real (The Straight Story, 1999), sobre um velhinho que faz uma longa jornada em um cortador de grama, deu uma indicação de Ator para Richard Farnsworth.
  • E Sua Mãe Também (Y tu mamá también, 2001). Dois jovens e uma mulher mais velha em uma viagem conquistaram uma indicação para Roteiro Original.
  • Nebraska (2013). Um prêmio de loteria a ser resgatado, um velhinho disposto a atravessar o país para isso e o filho que resolve acompanhá-lo. O filme recebeu incríveis seis indicações, mas não levou nenhuma: Filme, Ator (Bruce Dern), Diretor (Alexander Payne), Atriz Coadjuvante (June Squibb), Fotografia e Roteiro Original.

Capitão Fantástico na estrada pelo Oscar 2017

Com a lista terminada, acho que posso afirmar: roteiro é o forte dos road movies em premiações. Este ano temos Capitão Fantástico (Captain Fantastic, 2016) na disputa com Ator (Viggo Mortensen), Direção de Arte e Figurino. Será que leva algum? Enquanto isso, aproveite para se inspirar para a próxima viagem com os filmes da nossa lista!

A 89ª cerimônia do Oscar acontece em pleno domingo de carnaval, dia 26 de fevereiro.

Leia também


About Fabiane Bastos

Jornalista especializada em cultura, viciada em filmes, séries e livros não necessariamente nesta ordem. Adoraria poder visitar os mundos que só conhecemos pelas páginas e telas, ou chegar o mais próximo disso possível!