Rock In Rio: dicas básicas para aproveitar melhor o evento


Eu já participei de duas edições do Rock In Rio, em 2011 e 2013, como fotógrafa do evento. Obviamente as coisas são um pouco diferentes para quem está indo lá para trabalhar ao invés de só curtir o show, mas a experiência que tive foi bastante importante em muitos sentidos – principalmente em se tratando de encarar uma nova maratona dessas.

Portanto, listo algumas dicas importantes para a galera que pretende ir curtir os 7 dias de shows e continuar inteiro para trabalhar na segunda-feira. As fotos, claro, são todas do meu arquivo pessoal.

1. Vá de transporte público

Mesmo com a facilidade dos aplicativos de transporte privado (leia-se Uber e afins), ainda vai ser uma furada danada tentar chegar ao local de carro. O tráfego nas vias do entorno geralmente fica bloqueado para facilitar o acesso dos artistas, equipes de trabalho, fornecedores dos estandes e viaturas oficiais (polícia, bombeiros, etc.) – ou seja, você vai ter que andar um bom pedaço até achar um local para pegar um táxi ou Uber, além de ter que exercitar a paciência com o trânsito. Agora que a Cidade do Rock foi transferida para a Cidade Olímpica, a estação Morro do Outeiro do BRT (Bus Rapid Transportation) é a que deixa mais próximo. A estação Jardim Oceânico (que faz integração com o Metrô) ficará funcionando 24h nos dias do evento (uma mão-na-roda que eu não tive nas edições que fui) e terá uma linha exclusiva e expressa até a Cidade do Rock.

Mais informações, acesse o site oficial

Ivete Sangalo no Palco Mundo, em 2013

2. Vestuário a seu favor

Ainda é inverno, mas nem parece. E a primavera “que está para chegar” mais parece um verão escaldante! Não se iluda: há muito pouco lugar para buscar uma sombra amigável na região, e ficar embaixo do sol forte até chegar a noite é perigoso para a saúde. Procure usar roupas claras, mais frescas e de tecido leve; nos pés, recomendo tênis, de preferência daqueles de exercício, ou com algum tipo de sola amortecedora. Podem até não ser tão estilosos, mas vão te ajudar a aguentar o dia inteiro e ainda pular durante o show. Se você vai encarar a maratona dos sete dias, ou mais de um dia de show, vai me agradecer depois por esse conselho básico.

Proteja-se do sol o máximo que puder. Vale boné e óculos de sol, além do básico protetor solar (não se pode entrar com tubos ou potes de protetor solar, então passe bastante no corpo pouco antes de sair de casa). Na hora do show, guarde os óculos em algum lugar seguro: é muito fácil que eles caiam no meio da multidão pulando – e muito complicado de os encontrar depois disso!

Outra coisa que pode ser bacana é levar uma canga de praia: super multiuso, pois serve para estender no chão enquanto descansa um pouco, pode servir de tenda improvisada para escapar do sol e até de agasalho, se ficar muito frio.

3. Beba muita água e lembre de se alimentar

Sabe aquela empolgação para chegar cedo e ficar grudado na grade porque você “quer porque quer” ver seu ídolo que só vai entrar no palco de madrugada? Eu vi muita gente fazer isso e desmaiar antes mesmo do primeiro show da noite começar. O sol forte, a desidratação e a emoção combinados são os combustíveis para essa reação. Planeje-se: vários estandes serão de comida (não é permitida a entrada de alimentos ou bebida), então programe pelo menos dois lanches – se você for ficar direto até o fim do último show – e duas ou até mais garrafinhas d’água, se o sol estiver forte. Isso implica em ir ao banheiro algumas vezes durante o dia, correto? Pois combine com os amigos e vá em turnos – antes dos shows principais começarem e pouco antes do último show começar. Só não deixe de beber água.

Joss Stone no Palco Sunset, em 2011

4. Previsão do tempo

Lembre-se de levar um agasalho e uma capa de chuva. Conselho de vó? Coisa de velho? Pode ser, mas quando a multidão dispersar e o sangue esfriar, vai fazer frio. Se pegar o metrô, então… Quase congela! Mas vamos por partes: se não houver previsão de chuva para o dia que você vai, pode dispensar a capa. Se houver, leve uma de casa: lá, na hora, o preço vai ser inflacionado na mão dos ambulantes. Guarda-chuvas não podem entrar, por isso nem considerei. Um casaco leve, que consiga levar amarrado na cintura, pode não combinar muito com o seu look, mas com certeza será sua salvação e não vai pesar muito na sua bagagem – que, aliás, quanto menor for, melhor será.

5. Tenha sempre um dinheiro reserva

Esse é um evento caro, desde o preço do ingresso até os lanches oferecidos lá dentro. Se a grana está curta, lembre-se de se alimentar muito bem antes de sair e investir em pelo menos uma garrafinha de água para aguentar o tranco. Levar pelo menos um trocado para uma emergência, como comprar algo para comer ou uma passagem extra, é sempre válido. Lembre-se de colocá-lo em outro lugar (bolso, carteira, doleira) diferente do local onde você vai levar o dinheiro “principal”.

Se não quiser andar com dinheiro vivo, lá dentro existem caixas eletrônicos – então pode levar o cartão do banco. Com certeza terão lojas lá dentro, e a tentação de gastar vai ser muita; então sugiro que leve um cartão de crédito como garantia – mas que use com moderação.

Eu vendo o show de John Mayer do alto da tirolesa, em 2013

6. Checklist

Não custa conferir o básico, não é? Se for a primeira vez da galera, então, pode ser que a animação acabe rendendo perrengues desnecessários. Faça um checklist básico: ingresso (confira data, extremamente importante se for a mais de um dia de festival!), identidade, chave de casa (ou do quarto do hotel, se for o caso), dinheiro da passagem, telefone. Se for com crianças, não se esqueça de colocar nela algum tipo de identificação e um telefone para contato, caso se percam. Ao chegar no local, marque um ponto de encontro (se for em grupo) ou uma referência de localização para não se perder na multidão durante a saída. Não esqueça de verificar onde ficam os banheiros e o posto médico – a gente nunca quer realmente precisar deles, mas é bom saber onde estão caso haja alguma emergência.

7. Explore a Cidade do Rock

Às vezes a gente esquece que o Rock In Rio é mais do que uma sequência de shows. Tem atividades rolando o dia inteiro, de tirolesa a roda-gigante e montanha-russa, além de pequenas apresentações surpresa, artistas de rua, atividades nos estandes das empresas patrocinadoras… Ainda mais que esse ano a Cidade expandiu! Esse ano vai ter até uma arena geek Vale a pena dar uma conferida no que está rolando por lá – basta lembrar que horas é o show que você mais quer ver e deixar para se deslocar até lá mais ou menos 1h antes dele começar.

Por tudo o que já vivi lá, posso dizer que o Rock in Rio é uma experiência única. A gente supera muitos desafios e obstáculos, mas sempre acaba sendo recompensado com um momento maravilhoso – seja um show muito esperado, seja uma atração que te surpreende. Pessoalmente, eu cresci muito como profissional ao aguentar o tranco de um evento desse porte sendo tão inexperiente como era na edição de 2011. Hoje minha vibe é outra, mas nunca vou esquecer desses dias intensos e maravilhosos. Faz parte da minha história, de quem eu sou hoje.

Evanescence no Palco Mundo, em 2011

Hoje é dia de rock, bebê! (e sempre será)

Leia também


About Geisy Almeida

Formada em Fotografia, fã de boas estórias que sejam bem contadas - não importa se em forma de livro, filme, novela ou bate-papo. Curiosa e interessada em muitos assuntos, às vezes viajo na maionese.

  • Nathalia Bracaglia

    Adorei Gei! Super importante essas dicas para galera!
    Foram experiências incríveis né? <3

    • Geisy Almeida

      Sem dúvidas, Nathy! Saudades daquela loucura! rs

      Beijocas =*