Roteiro Indica: O Museu de Artes e Ofícios em Belo Horizonte é bem mais legal do que parece


Belo Horizonte é, talvez, a cidade mais injustiçada da região Sudeste: por não ser nem a mais agitada nem a mais perto da praia, é facilmente deixada para depois – principalmente porque a maioria dos turistas que decidem visitar Minas Gerais acabam escolhendo as cidades históricas ou as fazendas do interior para relaxar ao invés de conhecer a simpática capital mineira. Pois eu descobri que BH é um ótimo lugar para mergulhar em cultura. Vários museus estão à escolha do visitante, e eu já me programei para, numa próxima visita, explorar um circuito por eles. Vou ficar com o primeiro que visitei na cidade (lembrando que o Instituto Inhotim fica na cidade vizinha de Brumadinho): o Museu de Artes e Ofícios.

Essas representações fiéis das antigas “vendas” são lindas e muito minuciosas

Eu quase não visitei esse museu pelo simples motivo de não saber que ele existia. O motivo de eu ter descoberto foi praticamente o acaso: estava hospedada a menos de uma quadra da Praça da Estação e devo dizer: foi uma das mais gratas surpresas que BH podia me oferecer.

Inspirado em um museu francês também dedicado aos ofícios (tipos de trabalho), é o único outro representante do gênero no mundo. Utilizando-se do espaço de uma antiga estação de trem e setorizado em 3 níveis dentro das duas plataformas onde se distribui, o Museu de Artes e Ofícios é um passeio super agradável e fácil de fazer – e o melhor, de se entender.

Os tropeiros: onde tudo começou

O fio condutor é a força de trabalho, então começa-se descobrindo as primeiras profissões que moldaram a vida em Minas Gerais (desde os tropeiros e caixeiros-viajantes até os mercadores das ruas e trabalhadores de todos os tipos), passa pela força-motriz que transformou Minas em uma potência nacional (principalmente na produção leiteira e agricultura, chegando às grandes mineradoras) e indo até o serviço tradicional e quase folclórico do artesanato, que persiste até hoje como um forte traço cultural mineiro.

Do interior do museu é possível observar a movimentação na Estação Central do metrô de BH!

O charme do museu fica por conta da disposição da exposição: a sensação é a de estar passeando em uma das antigas plataformas de embarque e descobrindo como o passado se interliga com o presente. É gostoso pensar que a viagem no tempo se passa onde as pessoas realmente viajaram, e nós também descobrimos algo muito interessante para nos distrair enquanto esperamos para seguir viagem. Vários monitores estão à disposição para esclarecimentos e dúvidas – e um bom papo sobre cultura e cidadania também.

Rendeiras e bordadeiras: ofícios artesãos que também marcaram a cultura mineira

Aqui no museu somos levados a um passeio pela História do nascimento de Belo Horizonte – mas é possível também fazer paralelos com a cultura brasileira local. Não fossem essas primeiras profissões aqui retratadas, hoje o Brasil teria uma cara muito diferente. Interligando passado e presente, essa visita se tornou uma das minhas descobertas favoritas – e dali eu descobri que a cidade em si tem um forte circuito cultural de museus (que espero explorar em novas visitas à capital mineira). Dividido em dois setores – um em cada lado da linha férrea – o acervo do museu é bem maior do que aparenta: reserve uma manhã para explorar com calma todo o espaço disponível.

ONDE FICA E COMO CHEGAR

O belo prédio onde o museu foi instaurado era, a princípio, um pórtico da cidade que depois foi anexado à via férrea. Localizado na Praça Rui Barbosa (também conhecida como Praça da Estação), fica no Centro de Belo Horizonte, ao lado da estação do metrô (que, aliás, a gente consegue ver lá de dentro pelas enormes paredes de vidro). Uma vasta gama de ônibus passa pela Avenida dos Andradas, bem em frente à praça, o que torna o acesso ao museu muito fácil.

Museu de Artes e Ofícios – Praça Rui Barbosa, 600 – Centro, Belo Horizonte/MG.
Funcionamento: Terças, das 9h às 21h; Quarta a Domigo, das 9h às 17h, Feriados, das 9h às 17h. Entrada gratuita.
Visite o site oficial.

Leia também


About Geisy Almeida

Formada em Fotografia, fã de boas estórias que sejam bem contadas - não importa se em forma de livro, filme, novela ou bate-papo. Curiosa e interessada em muitos assuntos, às vezes viajo na maionese.