Turistando em Roma com Julia Roberts, como em “Comer, Rezar e Amar”


Minha viagem à Itália foi bem menos pretensiosa que a de Liz Gilbert (Julia Roberts) em Comer, Rezar e Amar. Eu não estava em nenhuma jornada de autoconhecimento, não estava tentando superar nenhum relacionamento em ruínas, nem saí de lá planejando escrever um livro. Mas uma coisa nós tivemos em comum: o prazer de comer em Roma.

Já contei aqui que economizo em refeições para gastar em passeios – não só dinheiro, mas em tempo. Daí para viver de sanduíches, comidas de rua e lanches de supermercado é um pulo. Mas na capital italiana, amigos, eu fazia questão de fazer refeições e saborear cada minuto delas. Na hora da pressa, as pizzas, ah, as pizzas!

Conhecer o país sempre foi um sonho antigo meu, tanto que adiei da minha primeira vez na Europa porque queria me demorar mais por lá. Montar um roteiro de 15 dias para a eurotrip 2016 me parecia absolutamente impossível. Amei quase tudo que vi por lá – a exceção eu conto para vocês no fim deste post – e, se pudesse, voltava agora para viver tudo de novo. O único “problema” é que ainda tem tanta região bonita por lá que eu vou ser obrigada a sofrer tudo de novo, agora para montar um novo roteiro pelo sul (confira os posts já publicados sobre a Itália aqui).

Por enquanto, me deixa aqui relembrando meus dias de Julia Robert em Roma… Que sirva de inspiração para a sua viagem!

Casa de Liz em Roma: Via dei Portoghesi, 18

Depois de observar Roma do alto do Castel Sant’Angel, como visto na foto que abre este post, Liz segue para a sua futura casinha em Roma. Casinha é por minha conta, já que a construção é enorme. Pouco antes de eu tirar essa foto, tinha um casal entrando ali e me cocei para espiar ali dentro. Achei de bom tom não bancar a stalker e disfarcei minha curiosidade. O endereço é bem perto da nossa próxima parada, um dos pontos mais famosos da cidade.

Piazza Navona

Nunca me esqueço de que cheguei à praça por acaso, depois de ter me perdido. Ô cidade que me fez andar em círculos (mas eu continuo te amando, Roma). Fiquei foi muito espantada de ter tropeçado num ponto turístico assim! Cheguei ali pelo extremo norte, onde fica a Fontana del Nettuno e muitos artistas. O Obelisco Agonale e a imponente igreja de Sant’Agnese in Agone, onde Liz toma sorvete e observa as esculturas, dominam o centro da piazza. No lado sul há a Fontana del Moro, bem em frente à embaixada do Brasil. Dá para passar alguns minutos agradáveis ali – não repare na multidão – tomando um gelatto como Julia, ou escolhendo um dos vários restaurantes do entorno. Não se preocupe, os garçons vão te procurar!

Piazzetta di San Simeone

Ainda nas redondezas, encontrei outro cenário do filme, onde a escritora, à espera de um suculento prato de massa na área externa de um restaurante, observa um casal trocando um beijo apaixonado. Na vida real, alguns turistas aproveitavam para recarregar suas garrafinhas na fonte. Confesso que evitei esse hábito (bem comum por lá), mesmo sob o sol forte do verão europeu. Eu não consigo ignorar que pombos posam nesses lugares… Não é um lugar tão turístico, mas, se você é fã do filme, não custa esticar as pernas até lá.

Ristorante Santa Lucia, Largo Febo

Confesso que passei em frente a este restaurante e não vi: é que o entorno era tão bonito que me distraí. Roma tem dessas coisas. Fotografei esse prédio coberto de plantas ali no canto da foto é só depois, com ajuda do mapa, encontrei o lugar onde Liz, acompanhada de amigos locais, descobre que é alguém “em busca de sua palavra”. É ali também que ela consegue fazer um pedido inteirinho em italiano. Eu tentava algumas palavras, mas tenho quase certeza de que falava um pouco de espanhol no meio.

Nápoles – L’antica pizzeria Da Michele

Vocês se lembram que Julia e sua amiga comiam uma enorme e apararentemente deliciosa pizza de margherita com as mãos em sua trip bate-volta para Nápoles, não lembram? Pois bem. Lá fui eu atrás da bendita pizzaria para matar a fome depois de um dia de muito suor e andanças em Pompeia reproduzir a cena aqui para o blog e dei de cara na porta. Assim como muitos estabelecimentos pelo país, eles estavam de portas fechadas durante o mês de agosto, quando muitos comerciantes da região tiram férias. Isso mesmo. E eu com fome. Pior: àquela hora não achei outra pizzaria decente no meu caminho de volta até a estação e comi outra coisa qualquer (que não era margherita, minha favorita). Nápoles, como contei lá em cima, foi a parte mais decepcionante do país para mim. Caminhei por lá por pouquíssimo tempo, algumas horas só, e não tive uma boa primeira impressão. Adoraria voltar e mudar de ideia. Mi aspetto, Itália!

Leia também


About Giselle de Almeida

Carioca, jornalista, estudante de cinema, gauche na vida. Pareço legal, mas tento convencer os amigos a verem minhas séries favoritas