Um lugar, três filmes: Kensington Gardens no cinema


Início de ano, e se o pessoal não viajou, vai querer alguma coisa mais tranquila para fazer em casa. Uma boa pedida é ficar com os amigos, curtir uma praia ou piscina para aliviar o calor… Mas, como lidar com aquela a preguiça marota? Além dela, a ressaca e o cansaço também podem aparecer. Então, se a crise não deixou você sair para desbravar o mundo e sua opção é viajar na tela da tv, deixo uma listinha bem curtinha de filmes que tiveram cenas rodadas no Kensington Gardens (como disse no meu post anterior, o meu lugar favorito no mundo) – afinal, o que vale mesmo é aproveitar o tempo livre.

 

Wimbledon (Wimbledon, 2004)

Breve sinopse: Peter Colt (Paul Bettany) é um tenista inglês que, após ter sido o 11° melhor do ranking, não tem classificação suficiente para participar do torneio de Wimbledon. Convidado pelos organizadores para a disputa, que será seu último torneio profissional antes de se aposentar, ele conhece Lizzie Bradbury (Kirsten Dunst) – uma nova tenista em ascensão –  em uma confusão com os quartos do hotel onde se hospedariam. Um romance nasce, mas ele pode representar o fim definitivo da carreira de Colt.

As cenas no Kensington Gardens são bem pequenas: quando um pequeno clipe de caminhada romântica do casal acontece, lá ao fundo dá pra ver a silhueta do Albert Memorial; depois há também uma cena noturna no Italian Gardens. Eu particularmente não sou muito fã do filme, mas me diverti fazendo o que curto de chamar “referências cruzadas” – ao reconhecer um ator/atriz, lembro de seu personagem mais famoso (ou mais recente) e misturo as histórias. Assim, temos o Visão namorando a Maria Antonieta, e outras surpresas como ver Jammie Lannister e Professor X dos anos 1970 assistindo a  uma partida de tênis juntos.

 

Bridget Jones: No limite da razão (Bridget Jones: The edge of the reason, 2004)

Breve sinopse: Depois de seis semanas de namoro firme com Mark Darcy (Colin Firth), Bridget Jones (Renée Zellweger) tenta manter a chama do relacionamento acesa, mas percebe que a vida atribulada de Darcy toma muito tempo de seu amado. Sua insegurança piora com a contratação de uma nova funcionária no trabalho de Mark, uma linda e atraente jovem. Para complicar a vida de Bridget, seu ex, Daniel Cleaver (Hugh Grant) ressurge das cinzas – como só os ex são capazes de fazer.

É difícil achar quem não goste da personagem Bridget  Jones, mas dos três filmes lançados sobre sua louca vida amorosa, esse talvez seja o mais fraco. Ainda assim, traz muitos elementos do primeiro filme que fizeram sucesso com o público – especialmente a briga dos dois galãs pelo amor dela. E é justamente essa cena que foi rodada no Kensington Gardens. São dois trechos que aparecem lá: o Serpentine Gallery é onde Cleaver está gravando um programa e é desafiado por Darcy para uma luta mano-a-mano (de novo, para a alegria dos fãs). Ao saírem do local, eles trocam tapas até caírem nas fontes do jardim, em meio a um grupo de turistas e curiosos – e essas fontes são as do Italian Gardens, um cantinho muito fofo e agradável. Se você quer gargalhadas, essa é a sua pedida.

 

Em busca da Terra do Nunca (Finding Neverland, 2004)

Breve sinopse: Misturando realidade e ficção, o filme narra como supostamente o autor James Barrie (Johnny Depp) criou seu personagem ais icônico: Peter Pan. Tendo dificuldades em escrever peças de teatro, pois suas criações não eram bem recebidas pelo público, James conheceu Sylvia Davies (Kate Winslet). Viúva, mãe de quatro crianças, ela ficou muito doente – e Barrie passou a entretê-los com brincadeiras e histórias.

Um pouco de drama, um pouco de fantasia, um pouco de humor: filme para todas as idades, mas prepare o lencinho! Algumas cenas são bem tocantes, e o longa resulta em um ótimo passatempo para uma tarde preguiçosa. As cenas em que Barrie e a família Davies estão no parque, brincando e se divertindo para esquecer os problemas por alguns momentos foram rodadas lá. A clássica cena de Barrie e Peter (Freddie Highmore) conversando enquanto o menino chora (eternizada em memes na internet) tem o banco e os jardins de Kensington como pano de fundo.

 

Bônus

Curiosamente, os três filmes citados são de 2004, mas um dos monumentos mais característicos dos jardins apareceu em outros filmes mis antigos: o imponente Albert Memorial.

Em 1967, Oliver Reed e Michael Crawford estrelaram a comédia britânica The Jokers, onde interpretam dois irmãos que fazem de tudo para roubar a coroa britânica – causando muita dor de cabeça à polícia com suas tentativas. Em uma delas, eles dizem que implantaram uma bomba no Albert Memorial (e ficam ali do lado, só para ver a movimentação). O legal é que nessa sequência dá para ver como o parque é uma característica inglesa: cidadãos passeiam, passam a trabalho, relaxam aproveitando o sol… É bem o clima do lugar – exceto quando a polícia entra em ação.

Já em 1984, foi a vez do memorial aparecer em Greystoke – A lenda de Tarzan, o rei da selva (Greystoke – The legend of Tarzan, Lord of the Apes). No filme de estreia de Christopher Lambert, com Andie McDowell, Ian Holm e grande elenco, o memorial aparece rapidamente em uma cena onde os lordes procurarão por Tarzan – que havia acabado de libertar um primata do cativeiro.

 

A alegria de reconhecer um lugar que a gente já visitou antes é indescritível. E quem não se alegra de ter visto um lugar na tv sabendo que já esteve lá, na vida real? Esse é o espírito desse blog, e por isso quis compartilhar com vocês minha experiência com os Kensington Gardens – dentro e fora da tela. Espero que tenham gostado!

Leia também


About Geisy Almeida

Formada em Fotografia, fã de boas estórias que sejam bem contadas - não importa se em forma de livro, filme, novela ou bate-papo. Curiosa e interessada em muitos assuntos, às vezes viajo na maionese.