Uma tarde no Madame Tussauds: o que esperar de um museu de cera?


Confesso que sou dessas viajantes que adora um museu, e eles podem ser de qualquer coisa que eu me empolgo. De obras de arte clássicas e modernas a curiosidades culturais, como o incendiado Museu da Língua Portuguesa de São Paulo (que está em vias de reconstrução), eu curto quase tudo. Mas sempre fui receosa de conhecer um museu de cera. O motivo? Bem, eu achava que ia ser assustador se ele fosse bom, mas que poderia muito pior se não o fosse.

David e Victoria Beckham

Pois minha primeira oportunidade veio em 2012, e já veio em grande estilo: o internacionalmente famoso museu Madame Tussauds, em Londres. Ocupando quase um quarteirão inteiro, são várias alas e andares em que você se sente imerso num universo paralelo: cada sala tem um tema diferente e várias estátuas para admirar, algumas permanentes e outras temáticas. Então, vamos começar pelo começo.

Chegando ao museu

O Madame Tussauds fica próximo ao Regent’s Park e em uma movimentada avenida (muitas linhas de ônibus circulam por ali, além dos turísticos), mas a melhor forma de chegar lá é de metrô. Chegamos ao museu pela estação Baker Street – sim, tem o mesmo nome daquela famosa rua por causa do Sherlock Holmes: a estação, inclusive, é decoradinha como se fosse da época dele e tem uma estátua de bronze bem na saída para a Marylebone Road, e um museu dedicado ao personagem fica ali pertinho (mas isso é assunto para outro post). Dali já é possível ver a fila. Quem não compra o ingresso com antecedência, tem que ficar na fila – e ela sempre é enorme. Comprar o ingresso com antecedência pelo site leva a uma fila menor (e os passes vips têm prioridade total), mas já havia comprado em outro passeio um combo: um ticket duplo para visitar o museu e a London Eye.

O tour

A gente começa, basicamente, num tapete vermelho do Oscar. Ali, várias figuras conhecidas dos britânicos e astros internacionais de Hollywood estão representados. As estátuas ficam espalhadas pela sala e as pessoas se aglomeram para selfies. Já aviso que é um bocado complicado arrumar um espaço para uma foto “exclusiva”, mas com paciência, tudo dá certo. Tenha cuidado ao se aproximar das peças, apesar de ser permitido chegar bem perto de algumas (eu sempre lembro do prejuízo que um brasileiro causou em Portugal, acho válido lembrar vocês disso também). Assim como as estátuas precisam ser renovadas de tempos em tempos, a própria temática das alas muda. Vou listar, então as que são permanentes.

Tapete Vermelho

Kate Winslet, Colin Fith e Hellen Mirren!

Aqui, é só diversão! Imagine que você foi convidado para participar do tapete vermelho da entrega do Oscar, que figuras você veria circulando por ali? Atores consagrados em roupas de gala (e alguns modelitos extravagantes também) estão ali, ao alcance de nós, mortais, para uma selfie marota. Algumas estátuas ficam mais tempo, mas algumas são renovadas e/ou trocados por outros personagens. Os mais procurados são o casal Beckham, Brad Pitt e Angelina Jolie, Colin Firth e Dame Helen Mirren. Em 2017, pelo que vi no site, as figuras em destaque são o casal Kayne West  e Kim Kardashian, além da figura do ator Benedict Cumberbatch.

Cinema

O Bates Motel do clássico “Psicose”

Nessa galeria estão representados atores e personagens icônicos do cinema. No ano em que fui, a estátua de Daniel Craig como James Bond estava em evidência por causa do lançamento (em outubro daquele ano) de Skyfall. Muitos diriam que foi o destino que fez esse se tornar o meu filme favorito do 007, mas ninguém sabe ao certo (em 2017, aliás, o filme em destaque é Kong: Ilha da Caveira). Fique de olho quando for visitar, pois essa é uma atração que muda com bastante frequência. Na ala tem muitas coisas interessantes, como os ícones da era de ouro em Hollywood (de John Wayne a Marilyn Monroe de saia esvoaçante) e uma seção especial só para Bollywood. Vale lembrar que há muitos indianos que vivem na Inglaterra, então a cultura e a presença deles afeta o dia-a-dia dos britânicos – e lembro de ter ficado empolgadíssima com o fato deles reconhecerem isso e os homenagearem com essa ala.

Esportes

Ícones do esporte mundial estão ali, mas é lógico que eles puxam uma brasa pra sardinha deles. Tem o piloto Louis Hamilton e uma outra estátua de David Beckham (já tem uma dele com a esposa, a ex-Spice Girl Victoria na seção Tapete Vermelho), além de lendas como a ginasta Nadia Comaneci, o tenista Rafael Nadal, o boxeador Muhammad Ali e o nosso Pelé. Atualmente, a estátua que faz mais sucesso é do corredor jamaicano Usain Bolt, em sua clássica pose do raio.

Realeza

Esse trecho é interessantíssimo: britânicos são orgulhosos de sua coroa e seu passado monárquico, então a dedicação dos artistas em recriar os personagens históricos e a corte britânica é impressionante. Vários personagens são destacados especialmente por representar os estilos que marcaram sua geração, como o Rei Henrique V e sua brilhante armadura dourada e a Rainha Elizabeth I (que deu origem ao extravagante estilo elisabetano). Toda a Família Real atual é representada na figura (à época, Kate Middleton ainda não era nem casada ainda, mas já estava lá), e a estátua da Lady Di é uma das mais procuradas. Mas me impressionou muito a da Elizabeth II: com a roupa criada para comemorar o Jubileu de Diamante de seu reinado é coberta de cristais Swarovski, é tão perfeita e viva que a impressão que dá é que ela vai sair andando dali a qualquer momento. Encantador, mas um pouco assustador também.

Cultura

Ícones da ciência, da literatura e da pintura estão representados aqui. De estátuas de Sir Isaac Newton, Shakespeare e Van Gogh, lado a lado – como diria o cara que faz a locução da Sessão da Tarde, uma “turma da pesada”. Leva a gente a pensar: e se a gente pudesse mesmo reunir numa sala só essa galera maravilhosa aqui?

Música

Uma sessão divertidíssima! Tem figuras para todos os públicos e gostos: do pop ao rock, ícones que marcaram a história e a indústria da música estão eternizados aqui em algumas de suas clássicas performances. Alguns eleitos pela extravagância visual, outros por serem grandes nomes britânicos, as peças são trabalhadas no luxo. Amy Winehouse e Elvis Presley são duas das minhas referências musicais, e eu fiquei superfeliz de poder ter uma foto com eles. Então, não importa se você gosta mais de The Beatles ou Miley Cyrus (uma das mais recentes estátuas da seção), sempre vai ter algo interessante de se ver aqui.

Líderes mundiais

Churchill e Hitler em paz na mesma sala, quem diria?

Figuras importantes da política internacional, em vários períodos da História. É lógico que vai ter estátua dos Primeiros Ministros britânicos Winston Churchill e Margareth Tatcher, mas também tem imagem de Nelson Mandela, Adolf Hitler, Barack Obama e do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Muitos pacifistas também estão representadas ali, como Martin Luther King e Gandhi. Líderes de várias religiões também estão representados aqui (na época, o papa ainda era Bento XVI).

Spirit of London

Imagine um passeio pela história da cidade a bordo de um típico táxi britânico: é essa a experiência que eles propõem ao visitante. Não é permitido fotografar ou filmar o percurso (tem câmeras vigiando), mas a salinha onde fica a fila de espera é um charme só – e já dá uma dica do que vamos ver. Apenas duas pessoas embarcam por vez, e menores devem estar acompanhados de um responsável. O caminho é tipo um túnel de mineração, mas com subidas e descidas de uma montanha-russa leve. Não se preocupe de perder alguma coisa, pois o carrinho vira automaticamente para onde você precisa olhar e não perder nada!

Marvel

Rapaz… Você sabe o desespero que dá quando a gente entra e dá de cara com aquele Hulk gigante, esmagando tudo? Daí a gente lembra de agradecer ao Universo que esses caras só existem na ficção mesmo! A maior atração (literalmente) do museu, recebeu novos amigos conforme os filmes d’Os Vingadores foram lançados. Na época, só tinha o Nick Fury de Samuel L. Jackson (que é outro bizarramente bem caracterizado) e o Homem de Ferro, mas agora já tem estátuas do Gavião Arqueiro e do Capitão América. Ainda assim, garanto que a mais querida dos visitantes é a do Wolverine (agora que Hugh Jackman se despediu do personagem, então…). Dali é a saída para a lojinha e final do percurso – numa vez fora do espaço Marvel, não é possível regressar.

O que mudou

Do meu tour pra cá, já tem cinco anos – então muita coisa mudou. Quando eu fui, havia uma sessão dedicada ao terror medieval – algo que talvez fosse possível ver nos castelos de verdade, se fôssemos voltar no tempo – mas não seguimos por esse caminho. Eu não ia me sentir muito bem no ambiente, então perguntamos a um funcionário se havia como não passar por aquela ala. Ele prontamente nos indicou uma saída para outra atração (acho que era necessário, visto que muitas crianças visitam o museu).

Hoje tem ala para Youtuber (!) e a Fashion Experience, que recria os bastidores e passarela de um desfile de moda. Talvez tenham achado que era mais tranquilo para o público dar de cara com a Cara Delavigne do que com Vlad, o Empalador! Mas juro que trocava os dois só para aproveitar a ala Star Wars: dá pra “pilotar” a Millenium Falcon (com direito a Chewbacca de copiloto), lanchar na cantina com Han Solo e até brincar de “Eu sou seu pai!” com o próprio Darth Vader! Quem me leva lá, tipo agora?

Brincadeiras à parte, isso mostra como o museu se preocupa em estar atualizado. Estar antenado com as tendências e buscando sempre elementos novos para surpreender o público garantem ao Madame Tussaud’s o frescor de uma atração que não cansa o turista: quem visitar a cidade a cada dez anos, por exemplo, vai ver outra coleção diferente mesmo sendo no mesmo lugar. Contando que são mais de 20 museus espalhados por 4 continentes (só falta abrirem um na África para ter um em cada continente), dá pra imaginar o trabalho que é manter e alimentar esses museus.

Inclusive há uma pequena ala, conexão entre duas exposições maiores, que conta justamente a história da Madame Tussaud, criadora do museu, e de como são feitas as esculturas de cera. Interessante e bonito, sem ser extremamente didático, é uma atração à parte. Eles usaram o exemplo da Beyoncé (na época, a música Single Ladies estava estourada) para explicar como fazem as medidas, os moldes, as tentativas… Bem bacana.

No fim das contas, a resposta para a minha pergunta lá do título desse post é: espere que ele seja um Madame Tussauds. O perfeccionismo dos detalhes é impressionante, desde a confecção minuciosa das roupas às criações de textura e escolha de poses dinâmicas contribuem para uma experiência única. Mais do que apenas enfileirar estátuas de cera, eles criam ambientes e proporcionam emoção e interação como não se espera. Foi um passeio surpreendentemente bom, e com certeza eu o repetirei quando tiver a oportunidade de voltar a Londres.

Madame Tussauds – London
Marylebone Rd, Marylebone, Londres.
Horário: de segunda a sexta, das 10h às 16h. Sábados e domingos, das 9h às 17h. Funcionamento em horário diferenciado durante os feriados.
Ingressos: Adultos £35, menores de 15 anos £30. Descontos e combos para outras atrações na cidade no site.
Para mais informações sobre as obras em exposição, consulte o site oficial.

 

Leia também


About Geisy Almeida

Formada em Fotografia, fã de boas estórias que sejam bem contadas - não importa se em forma de livro, filme, novela ou bate-papo. Curiosa e interessada em muitos assuntos, às vezes viajo na maionese.