Viajando no tempo com a Maria-Fumaça de Jaguariúna


Atire a primeira pedra o cinéfilo que nunca sonhou em andar em uma maria-fumaça igualzinha às que vemos nos filmes! Não é o expresso de Hogwarts, muito menos um trem para o Velho Oeste, mas o Passeio de Maria-Fumaça de Jaguariúna dá um bom vislumbre de como é viajar em uma locomotiva a vapor.

Jaguariúna é um município da Região Metropolitana de Campinas, logo seu tradicional passeio é uma opção interessante para quem está na região e tem algum tempo livre. Eu, por exemplo, peguei o trem na mesma viagem em que conheci a Expoflora (confira este roteiro também).

maria-fumaca-jaguariuna-8

O passeio começa antes mesmo de o trem sair: ainda fora da estação, podemos visitar a modesta, porém charmosa, Feirinha de Jaguariúna (sábado das 9h às 15h, domingo e feriados das 9h às 17h). Os itens de artesanato são bem variados, indo de réplicas de trens até camisetas personalizadas e itens inspirados na cultura chinesa. Esta última completamente fora do tema, mas quem liga? Os itens são legais!

Na estação há uma locomotiva em exposição e um restaurante (que estava fechado, afinal nosso passeio, o primeiro do domingo, saía às dez da manhã). Antes de embarcarmos, um dos maquinistas conta uma breve história da ferrovia brasileira e também um pouco do funcionamento de uma locomotiva a vapor. Sabia que para sair às 10h da manhã a fornalha precisa ser acesa às 4 horas, ainda de madrugada? Sim, viajar antigamente era complicado.

maria-fumaca-jaguariuna-14

Paisagem rural à vista, antiga ponte

Finalmente a bordo do trem, o guia continua a nos dar informações sobre a ferrovia, os avisos de segurança (mantenham os braços e as cabeças dentro do vagão) e o itinerário. Passamos por uma vertiginosa ponte suspensa sobre uma avenida, depois sobre um rio – de onde podemos ver a antiga ponte ferroviária, algumas estações antigas e muitas, muitas fazendas. Devo admitir, o trecho não tem muita variedade passando pela janela – mas a graça do passeio está mesmo em viajar em um vagão construído décadas atrás e restaurado à sua versão original.

E por falar em restauração, um dos pontos interessantes fora da janela é a passagem pelo cemitério estoque garagem hospital depósito de trens. A companhia que organiza o passeio, a ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária), resgata e restaura estes trens antigos para diferentes usos: um dos mais legais é que as locomotivas e vagões restaurados aparecem em produções de época da TV e do cinema. Em alguns casos, até mesmo o trecho que percorremos é usado para gravações, já que passa por uma paisagem rural.

maria-fumaca-jaguariuna-35

Locomotiva 505, a estrela de Terra Nostra

Atualmente a locomotiva usada na novela Terra Nostra é a principal atração do depósito. A empresa forneceu trens para outras produções como Sinhá Moça e Cabocla, além de terem suas estações usadas como cenário.

A viagem para na estação de Tanquinho. Infelizmente não podemos descer para visitá-la: a estação está fechada, esperando arrecadação de fundos para a finalização de seu projeto de restauração. Lá fazemos uma pausa para esperar outra composição, um trem vindo de Campinas que se une ao nosso passeio de volta para a estação de Jaguariúna.

Acontece que o trecho Jaguariúna-Tanquinho é um passeio de “meio percurso”, com 24 km. Com menor duração, cerca de uma hora e meia, é ideal para quem tem pouco tempo na cidade, e para famílias com crianças pequenas, segundo os organizadores. Já o trecho Campinas-Jaguariúna é um “percurso completo”, leva mais de três horas para cobrir seus 48km e faz uma pausa de cerca de uma hora em Jaguariúna antes de voltar a Campinas.

maria-fumaca-jaguariuna-36

Veja os todos os modelos de vagões em nossa galeria no fim do post!

Então, após algumas manobras complicadas que vemos pelas janelas do vagões, nossa singela composição de três carros se transforma em um minhocão, com 16 vagões de épocas distintas restaurados. Apesar de uniformes por fora, o interior de cada vagão segue suas características originais. Por isso, são diferentes entre si.

Esta é a hora de passear pelo trem e conhecer as peculiaridades de cada um deles. Tome cuidado ao mudar de um vagão para o outro – o trem balança bastante, mas vale pela aventura. A decepção fica por conta do vagão-restaurante. Ok, já sabíamos que ele não serviria nada além de biscoitos e bebidas, mas o visual está longe do glamour que vemos nos filmes.

maria-fumaca-jaguariuna-2

Eu perguntei, mas ela não tinha sapos de chocolate, nem feijõezinhos-de-todos-os-sabores…

Com a composição completa, as atrações do trem finalmente chegam aos nossos vagões. Algumas viagens contam com uma banda (na minha não apareceram), mas o vendedor de picolé e a moça com um carrinho de souvenires são presença certa.

O passeio termina de volta à estação de Jaguariúna, por volta do meio-dia. Lá, o restaurante finalmente está funcionando, e lotado. Um vagão com figurinos de época está disponível para fotos (pagas à parte, claro!), levando a imersão em outra época ao máximo. Sim, você vai se sentir em um filme ou novela de época – mesmo que por alguns instantes. Aproveite!

O Passeio de Maria-Fumaça de Jaguariúna é uma aventura através do tempo curtinha, que tem o poderoso efeito de te deixar com vontade de conhecer o percurso completo. Há rumores que a paisagem é mais bonita no trecho que não cobrimos. Acho que terei que voltar qualquer dia desses para conferir.

Tenha um gostinho da aventura em nosso vídeo da viagem, e veja mais fotos em nossa galeria.

Passeios Maria Fumaça – Campinas /Jaguariúna – Tanquinho
Funciona fins de semana e feriados (Sábados 15h, Domingos 10h, 12h30 e 14h30)
Ingressos: R$ 75,00 – Inteira – R$ 38,00 – Meia
http://www.mariafumacacampinas.com.br/

Leia também


About Fabiane Bastos

Jornalista especializada em cultura, viciada em filmes, séries e livros não necessariamente nesta ordem. Adoraria poder visitar os mundos que só conhecemos pelas páginas e telas, ou chegar o mais próximo disso possível!

  • Rezende Jarbas

    Não vi uma foto sequer de um ponto adaptado? É adaptado a quê? E a quem? Já passei por passeios assim no escrito é fácil ‘adaptar’ Mas, na real, não há nada de adaptação, nem espaço, nem caminhos, nem mobilidade, nada! Querem mesmo vender na onda e vê se cola.