Visitando “The Making of Harry Potter”: um breve passo a passo


Em 2012 eu finalmente realizei um sonho: viajei para passar 20 dias na Europa, mais especificamente em Londres (Inglaterra) e Paris (França). Muita gente me perguntou porque eu não aproveitei o meu tempo e conheci mais cidades já que meu período não foi tão curto assim, mas muitas questões influenciaram nisso. Uma delas foi a minha própria escolha em tentar conhecer as cidades do meu jeito, sem correria para pegar museu aberto e visitar outras 3 atrações imperdíveis no mesmo dia: preferi me dar tempo de curtir melhores as cidades que escolhi.

Entrada dos estúdios em Leavesden

Entrada dos estúdios em Leavesden

E foi assim que eu tive um dia mágico: bem no meio da minha programação low speed, eu tinha uma parada estratégica em Leavesden. Essa cidadezinha no interior da Inglaterra entrou no mapa quando a atração The Making of Harry Potter entrou em funcionamento.

Os estúdios onde foram gravadas as cenas internas de todos os cenários dos filmes da franquia Harry Potter (2001-2011) abriram as portas para o público em uma exposição permanente com todas as coisas maravilhosas utilizadas na produção – desde cenários completos e objetos de decoração a guloseimas de Hogsmeade para venda e curiosidades de gravação. Eu fiquei encantada com todos os detalhes de lá, e aproveitei a tarde toda dentro dos dois grandes estúdios e pátio externo que compõem o complexo. Agora convido vocês a olhar meu passo-a-passo lá dentro.

*Em tempo: “ah, mas você visitou o parque faz milênios…” Sim, minha visita já tem um tempinho, mas as memórias que criei são eternas. Algumas dicas que dou aqui são práticas e não mudam conforme o tempo passa. Além disso, é tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo lá dentro que muitas vezes você pode passar batido por alguma coisa. Portanto, se você planeja visitar o local, informe-se com antecedência (em alguns períodos do ano, especialmente perto do Natal e Dia das Bruxas, há programação e decoração especiais) e com o máximo de referências possível. Informação nunca é demais.

Primeiro passo: reserve sua entrada antes de viajar

No site oficial há a opção de reserva de data e compra de ingresso antecipada. Se você já tiver as passagens compradas, agende um dia somente para conhecer o lugar. Passei uma tarde inteira e ainda ficaria mais, sem dúvidas! Escolha os primeiros horários, pois há muito o que ver lá dentro e os funcionários são bastante rigorosos nos horários (se seu tour está programado para as 10h, não adianta entrar lá às 9h ou às 11h – há uma tolerância de 30 min escrita no próprio ingresso devido às filas).

Tickets de entrada e do ônibus especial

Tickets de entrada e do ônibus especial

 

Quando comprei meu ingresso com antecipação, ganhei de brinde um The Official Guide (que tem à venda no local, mas eu não paguei nada a mais por ele e retirei na bilheteria junto com meu ticket). Veja se, na hora em que você compra seu ingresso, também há direito a algum brinde – especialmente na época de festas. O ingresso comprado na hora não é mais caro, mas como muitos compram com antecedência, pode ser que não haja capacidade para o horário desejado.

O guia ilustrado e o passport

O guia ilustrado e o passport

Apesar de estar longe da cidade, há dentro do estúdio muita coisa para se manter ocupado enquanto espera para entrar: uma lanchonete, alguns itens decorativos (como o Ford Anglia 1952 e posteres dos personagens principais) e a loja de suvenires – capaz de deixar qualquer fã louco e falido – para se distrair enquanto espera a hora da visita.

Dica: Logo na entrada, pergunte pelo Passport. Nele tem duas atividades gostosíssimas de fazer: procurar os seis locais de estampa de selos – alguns podem ser difíceis de encontrar – e caçar os pomos de ouro escondidos nos estúdios – cada um que encontrar, marque um check no passaporte. Lembra que eu falei de muitas coisas acontecendo? Então, apesar de eu ter visto alguns escondidos, eu não os cacei devidamente lá dentro porque estava tão preocupada colecionando as estampas no passaporte que só me liguei nessa listinha no caminho de volta para o hotel.

Segundo passo: programe seu horário

Leavesden é distante de Londres, e apesar de haver fácil acesso por transporte público, você acaba levando um bom tempinho até chegar lá. Quando fui, estava próxima ao metrô de Bayswater (<3) e meu trajeto foi o seguinte: peguei o metrô e fiz baldeação em Paddington para a Bakerloo Line; de lá segui até a estação de Harrow & Wealdstone e peguei o trem na mesma plataforma (é só esperar ele passar), saltando na última estação, a Watford Junction. Chegando lá, é muito fácil ver onde está o ônibus dedicado ao tour: ele é totalmente adesivado com o tema Harry Potter. Então, é só pagar a passagem (à época, era apenas 2 libras) e esperar ele chegar ao ponto final. Esse é o trajeto mais curto, não levou 15 minutos. No total, levei pouco mais de 1h de Bayswater até os estúdios em Leavesden.

 

Ônibus especial

Ônibus especial

Confesso não saber como fazer para chegar lá de carro – nada que um aplicativo de celular não resolva, não é? – mas posso garantir que não vale a pena ir de táxi para lá (talvez Uber seja uma opção, se você quiser viajar com estilo) se você estiver no centro de Londres. Como as viagens de metrô e trem são rápidas e tranquilas, especialmente fora do horário de rush, é ainda o melhor custo-benefício. Em tempo, as tarifas do metrô também custam mais barato fora do horário de pico.

Dica: se tiver dúvidas de como chegar, qual linha e trem pegar, pergunte aos funcionários do metrô. Eu lembro de ter perguntado na bilheteria como fazer para chegar à estação onde pegaria ônibus especial e ele me perguntou “Are you going to Harry Potter’s?”, e então me ajudou com todo o trajeto. Acho que não fui a primeira a fazer isso, né?

Terceiro passo: leve sua câmera fotográfica

Como os próprios funcionários alegremente anunciam enquanto você está na fila, “tirem quantas fotos puderem, quanto mais melhor; mostrem a seus amigos e os tragam aqui quando voltarem a nos visitar!”. Eu tenho uma DSLR e não a levei por medo de ser impedida de entrar – e nenhum lugar eu tinha lido se podia ou não entrar com equipamento profissional no local, então preferi não arriscar. No fim, me arrependi. Pode, sim, entrar com câmeras mais avançadas – e se você tiver lentes com zoom potente e de grande abertura de diafragma (lentes claras), melhor ainda!

O ambiente lá dentro tende a ser bastante escuro para que a iluminação especial funcione melhor e ressalte os detalhes da produção. Pequenos ajustes na câmera fazem o uso do flash desnecessário, além de que em alguns casos vai ser meio inútil – alguns cenários são tão grandes que o flash embutido de câmeras compactas e celulares não vão adiantar muita coisa. Eu evitei o flash em minhas fotos porque tratava a exposição como um museu (o flash acaba, com o tempo, danificando as obras), mas também não me lembro de ter visto sinais sobre uso proibido de flash lá dentro. De novo: na dúvida, pergunte – os funcionários são simpáticos e solícitos

Depois que a tela sobe: é indescritível a emoção de se "entrar" no filme.

Em algumas partes não é permitido fotografar ou filmar (leia-se durante a exibição do pequeno filme introdutório antes de que você realmente entre os estúdios), então… Não filme (Hermione mode on).

Dica: eu sempre vou falar disso, não importa o quanto eu me torne chata. Leve bateria/pilha extra! Lá dentro dos estúdios você consegue comprar algo para comer e/ou beber, mas se já tiver passado dos portões, não há como comprar pilha e voltar para continuar o passeio. Isso aconteceu comigo, e eu estava na metade do tour. Pedi ajuda e uma funcionária muito simpática se ofereceu para ir lá fora, na lojinha, e comprar para mim. Ela não sabe, mas ela salvou minha vida naquele dia.

Quarto passo: aproveite o tour

É, é simples assim.

Relato do meu dia mágico

Relato do meu dia mágico

Fãs de todo o mundo e, porque não?, fãs de cinema em geral terão um uma experiência única. Visitar um set de filmagem, com vários detalhes e cenários, tudo muito bem exposto e com muitas atrações interativas é algo realmente diferente de se visitar um museu ou um parque temático. Depois das duas primeiras etapas do tour, não há limite de tempo de permanência. Só tome cuidado para não perder o último ônibus de volta!

P.S.: Na parte dois desse post eu vou relatar como foi meu tour. Como disse o sábio Didi Mocó, “aguarde e confie”. ;]

Leia também


About Geisy Almeida

Formada em Fotografia, fã de boas estórias que sejam bem contadas - não importa se em forma de livro, filme, novela ou bate-papo. Curiosa e interessada em muitos assuntos, às vezes viajo na maionese.